FANDOM


Direitos Reservados ao RationalWiki, Link original aqui.

"As pessoas me perguntam se eu acredito no aquecimento global. Eu digo a elas: 'Não, eu não', porque a crença é a fé; fé é a prova das coisas que não se veem. A ciência é prova das coisas que eu vi." - Katharine Hayhoe, Cientista Climática e Cristã Evangélica [1]

O aquecimento global, também conhecido como aquecimento global antrópico (ou causado pelo homem), é a temperatura média crescente da atmosfera e dos oceanos da Terra e seus efeitos relacionados. O negacionismo do aquecimento global refere-se a alegações de que o aquecimento global: a) não está acontecendo, b) não é causado por seres humanos, ou c) não é significativo.

Mudança Climática Antropogênica

A frase "aquecimento global" é, por si só, muitas vezes usada para se referir ao rápido aumento da temperatura que o planeta tem experimentado desde o início da Revolução Industrial. Nos últimos 100 anos, a temperatura média da superfície da Terra aumentou cerca de 0,8°C (1,4 °F), com cerca de dois terços do aumento ocorrendo em apenas as últimas três décadas. Como resultado, o aquecimento global antropogênico tornou-se recentemente uma grande preocupação para a humanidade. Tais preocupações são suportadas em todo o mundo pela grande maioria dos climatologistas.

O aquecimento global é um aumento da temperatura para além do efeito estufa natural. O efeito estufa interage com outras influências escala planetária, como os ciclos de Milankovitch, a fim de produzir movimentos climáticas de longo prazo. Muitos gases contribuem para o efeito de estufa, o dióxido de alguns dos mais importantes vapores são água, metano e carbono. O carbono negro (ou seja. fuligem) é o terceiro, apenas atrás do dióxido de carbono e metano em sua contribuição para o aquecimento global, mas é a mais eficaz em aumentar as temperaturas no Ártico, reduzindo o albedo. [2]

Na sua forma mais simples, o argumento para a mudança climática antropogênica é o seguinte.

  1. A atmosfera da Terra mantém o planeta muito mais quente do que seria sem uma atmosfera. [3]
  2. Os principais gases que contribuem para isso são o dióxido de carbono (CO2), metano e vapor de água. [4] Coletivamente estes são chamados gases de efeito estufa (GEE).
  3. A capacidade destes gases para atuar como gases de efeito estufa podem ser mostrados num laboratório. [5]
  4. A quantidade destes gases de efeito estufa na atmosfera aumentou acentuadamente desde a Revolução Industrial, e a sua concentração continua a aumentar. [6]
  5. A concentração destes gases tem aumentado como consequência da atividade humana. [7]
  6. A temperatura da atmosfera da Terra tem vindo a aumentar e continua a aumentar. [8]
  7. O aumento da temperatura global se correlaciona com o aumento de gases de efeito estufa. [9] [10]

Até este ponto, praticamente todos os cientistas estão de acordo - incluindo aqueles poucos "céticos" do aquecimento global que compreendem a ciência e os dados [11]. Por conseguinte, os céticos precisam atacar, de alguma forma, a etapa final do argumento:.

8. O aumento da temperatura tem sido causado pelo aumento dos gases com efeito estufa. [12] [13]

A consequência lógica desta conclusão óbvia é que devemos reduzir a quantidade de gases de efeito estufa que bombeam na atmosfera, de modo a reduzir o aquecimento global.

Note-se que a afirmação de que o aumento da temperatura global se correlaciona com o aumento de gases de efeito estufa só é verdade em uma escala de tempo muito amplo: GEE (Gases de Efeito Estufa) aumentaram aproximadamente exponencialmente, mas o sinal de temperatura é muito mais ruidoso, e não exibe quase nenhuma correlação com mudanças de GEE numa base anual, como esperado. Isto é devido a uma variedade de fatores, desde o ruído intrínseco no sistema climático até a existência de outros importantes fatores que os forçam (mais notavelmente, os aerossóis de sulfato e o escurecimento global, que são fatores de refrigeração).

Observe também que, enquanto o vapor de água está corretamente listado como um GEE, as emissões humanas de vapor de água não são importantes para forçar a mudança do clima; o vapor de água é melhor pensado como uma resposta à mudança de temperatura, em vez de uma causa, porque o seu tempo de vida atmosférico é muito curto (cerca de 10 dias), ao contrário de outros gases, tais como o CO2. [14]

Qual é o limite?

Enquanto as projeções do aumento potencial (máximo) de temperatura resulte em uma duplicação do CO2, isto variara de 2°C a 6°C, e há amplo consenso de que qualquer coisa acima de 2°C significará que estamos além da recuperação. A Agência Internacional de Energia sugere que a janela para evitar que isso ocorra até 2020 vai fechar [15], uma opinião partilhada pela OCDE. [16] Portanto, vamos começar acima do limite.

Consenso científico

Radiative-forcings.svg

Vários componentes da mudança climática. As barras de erro, em especial sobre os componentes negativos, são atualmente o foco da pesquisa de clima que estão muito a fim de melhorar os modelos climáticos de previsão. Negacionistas provavelmente não vão entender este gráfico.

Um consenso científico é alcançado quando a grande maioria dos cientistas envolvidos em uma disciplina concordam amplamente sobre a interpretação dos elementos de prova a uma pergunta científica específica. Quando isso ocorre, o caso pode ser considerado como tendo sido demonstrado e, em seguida, o ônus da prova cai sobre aqueles que disputam o consenso. As seguintes organizações nacionais e internacionais fazem parte do consenso que o aquecimento global é um fenômeno real e que os seres humanos são responsáveis:

  • National Academy os Sciences (NAS)
  • National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA)
  • NASA’s Goddard Institute of Space Studies (GISS)
  • Environmental Protection Agency (EPA)
  • The Royal Society of the UK (RS)
  • Canadian Meteorological and Oceanographic Society (CMOS)
  • UN's Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC)

    E muito mais. Embora alguns tenham tomado posições não vinculativas, a grande maioria dos organismos científicos estão convencidos pelas evidências. [17] Além disso, os pinko tree-huggers do Pentágono agora classificam o aquecimento global como sendo uma "força desestabilizadora" (droga, Enviro-weenies [N.T.: Gíria que significa, basicamente, "pessoas que tem medo ou ficam assustadas com o desenvolvimento/progresso"]). [18] [19]

Corpos Científicos nacionais ou Internacionais que rejeitaram o aquecimento global antropogênico

Sem título-0

Soluções

Qualquer um que, mesmo após a ocorrência de eventos climáticos extremos que parecem intensificar anualmente, não vê a validade de décadas de documentação científica que cataloga a existência do aquecimento global, é uma causa perdida. Simplificando, tempo é essêncial. Em vez de gastar recursos tentando convencer as pessoas (recursos que ainda não temos, e nunca vamos obtê-lo) que o aquecimento global é de fato real, os povos neste mundo que têm uma pista devem colocar o foco na ação e avançar defendendo as soluções para esta crise que ameaça todo o planeta. Essas soluções envolvem a promoção da utilização de veículos híbridos, energia eólica, energia solar, energia hídrica e talvez até mesmo uma forma comportável de energia nuclear.

No caso em que tais coisas sejam um beco sem saída (há a opinião de que é tarde demais para reverter a mudança climática por apenas reduzir ou parar o que estamos fazendo), ainda há a geo-engenharia. Sim pessoas, chemtrails!

Isto envolve tentar forçar alterações climáticas para trás na direção oposta intencionalmente, ou com o que tem sido descrito como terraformar a Terra. Entre essas opções está atar a atmosfera com partículas, a fim de semear nuvens, tecnologia de sequestro de carbono artificial para remover ativamente o dióxido de carbono na atmosfera a uma taxa mais rápida do que sumidouros naturais, tais como fotossíntese e carbonatos no oceano, e a construção de telas em órbita do sol. A perspectiva pessimista é que estas medidas acarretem riscos adicionais como o já severamente danificado ambiente acidentalmente porque não entendemos isto bem o suficiente, e mexer nisto ainda mais é suscetível de tornar as coisas muito piores e acelear o processo. Se esse se tornar o caso, podemos ter pouca escolha a não ser tentar medidas mais extraordinárias (ex.: Rápida colonização do espaço [20]).

Táticas de Negação

"Uma das razões pelas quais os negadores profissionais de mudanças climáticas têm sido tão bem-sucedidos em penetrar a mídia é que a história que eles têm a dizer é o que as pessoas querem ouvir." -George Monbiot, Heat. [21]

Negadores do aquecimento global formam uma escala de negação que está descrita abaixo - em geral, essas crenças são concebidas para evitar que ações sejam tomadas.

  1. Não só negam o aquecimento global, mas insistem que o oposto está ocorrendo (levados a acreditar nisto por causa da homepage do Conservapédia). Isso provavelmente vai além do negacionismo e beira o psicótico.
  2. Simplesmente negam que o aquecimento global está acontecendo [22] - e mantêm que nenhuma ação é necessária - uma posição cada vez mais rara.
  3. O aquecimento global está acontecendo, mas não é causado pela humanidade - por isso, não tem que mudar nada.
  4. O aquecimento global está acontecendo, e isto é, em parte, causado pela humanidade, mas na maior parte é causado pela atividade solar - por isso, não tem que mudar nada.
  5. O aquecimento global está acontecendo, e é em parte causado pela humanidade, mas prever níveis de emissões futuras é equivalente a astrologia - por isso, não tem que mudar nada, Ehrlich! [23]
  6. O aquecimento global está acontecendo, é causado pela humanidade, mas pode ser uma coisa boa - por isso, não tem que mudar nada [24]
  7. O aquecimento global está acontecendo, é causado pela humanidade, pode ser uma coisa ruim, mas [insirado pelo apelo emocional e/ou falsa dicotomia sobre como fazer algo sobre isso impediria pobres do mundo de melhorarem suas vidas] - por isso, não tem que mudar nada.
  8. O aquecimento global está acontecendo, é causado pela humanidade, pode ser uma coisa ruim, mas ainda há crises mais graves que merecem maior prioridade - por isso, não tem que mudar nada.
  9. O aquecimento global está acontecendo, é causado pela humanidade, é uma coisa ruim, mas a China e a Índia não estão fazendo nada -. por isso, não tem que mudar nada [25]
  10. O aquecimento global está acontecendo, é causado pela humanidade, é uma coisa ruim, e talvez a China e a Índia estejam dispostos a fazer alguma coisa, mas eu ouvi sobre esta nova fonte de energia/tecnologia que vai resolver completamente o problema em 10-20 anos - por isso, não tem que mudar nada.
  11. O aquecimento global está acontecendo, é causado pela humanidade, é uma coisa ruim, mas mesmo se a China e a Índia fizerem algo, talvez seja tarde demais para nós fazermos qualquer coisa que custará aos EUA uma porrada de dinheiro - por isso, não tem que mudar nada.
  12. O aquecimento global estava acontecendo, ele foi causado pela humanidade, é uma coisa muito ruim e os governos anteriores poderiam e deveriam ter feito alguma coisa, mas agora é tarde demais! [26]

Ao debater sobre o aquecimento global, é prudente estabelecer de antemão qual das opiniões de cada debatedor detém, referindo-se à lista acima - caso contrário, você pode perder muito tempo provando o ponto errado. Pode ser semelhante ao discutir com alguém sobre a Nova Ordem Mundial, com você precisando descobrir exatamente onde eles estão antes de se envolver com eles.

Céticos do aquecimento global têm levantado uma série de argumentos ligeiramente mais científicos que são cobertos abaixo.

Muitas destas reivindicações são jogadas em uma grande sopa negacionista. No entanto, o problema é que muitos deles também são contraditórios por natureza. Por exemplo, os pontos comuns são falar sobre ter sido mais quente durante o Período Medieval e ter baixa sensibilidade climática ("não é assim tão mau") contradizem uns aos outros, porque o Período Medieval mais quente implicaria alta sensibilidade climática. Outra afirmação comum é que certos registros de temperatura e mandatários são imprecisos, embora essas medições supostamente imprecisas sejam muitas vezes utilizadas para argumentar que "aconteceu no passado, por isso é natural" ou "não é tão ruim assim". [27]

NASA e o bug Y2K

Steve McIntyre deduziu e a NASA admitiu recentemente, que os programadores da NASA tinham um bug Y2K em seu código-fonte que processava dados de temperatura. Este erro introduziu uma mudança de 0,02% nos dados de temperatura que eram corrigidos. Antes desta correção, 1998 foi listado como o ano mais quente registrado, mas essa diferença não foi estatisticamente significativa com o segundo lugar, o ano de 1934; com a correção de 1934 tornando-se o ano mais quente. 1934 foi um período de intensa seca nos Estados Unidos, como foi durante os anos do Dust Bowl da Grande Depressão. A mudança não afetou a temperatura global; só mudou os dados de temperatura para os Estados Unidos. Isso sempre confunde os negadores do aquecimento global, que em grande parte não entendem que o mundo se estende para além das fronteiras dos Estados Unidos.

Os dados antigos da série de temperaturas para os EUA foi como se segue:

Radiative-forcings.svg-0

Com a correção alterada dramaticamente para:

.png

Negacionistas cresceram seu movimento em relação a esta mudança fazendo muitas afirmações grandiosas que invalidava todos os dados que comprovação que esta tinha sido a década mais quente da história. Este não é o caso; ela só faz uma diferença minúscula que não mudou (significativamente) as médias da década ou as médias globais.

Cálculos de Retiro Glacial

Cientistas descobriram o DNA de animais antigos em uma camada de gelo da Groenlândia, a 1,9 km (1,2 milhas) abaixo da superfície. [28] Uma vez que este estudo indica que a camada de gelo sobreviveu ao último período interglacial, levou-se à especulação de que as calotas polares podem ser capazes de também suportar o aquecimento global. [29] no entanto, o principal autor do estudo "ignorou" sugestões de que os dados de sua equipe indicavam que os níveis do mar não iriam subir para os níveis predicados, dizendo que "durante o último período interglacial, o nível do mar aumentou 5-6m, mas isso deve ter vindo de outras fontes adicionais para a camada de gelo da Groenlândia, como gelo da Antártida que eu iria antecipar, com a Terra se aquecendo nas alterações climáticas provocadas pelo homem, essas fontes ainda contribuiram para um aumento do nível do mar." [30]

Outro cientista ressaltou que não pode ser razoável extrapolar os resultados do estudo para a nossa situação atual, porque as mudanças de temperatura em interglaciais anteriores ocorreram em um ritmo muito mais lento. [29] Coincidentemente, este artigo forneceu mais evidências de que o mundo tem, pelo menos, 120.000 anos de idade, o que é um tapa na cara dos criacionistas que reivindicam a terra tem 6000 anos de idade.

A natureza gera mais CO2 do que os seres humanos

Embora seja verdade que as fontes naturais de liberação de CO2 representem uma percentagem muito maior de emissões de CO2, "sumidouros" naturais de carbono ocupam esse equilíbrio de CO2 externamente. A quantidade de CO2 na atmosfera tem sido relativamente constante por centenas de milhares de anos devido à saída e a entrada, que são iguais. O que os humanos estão fazendo é a queima e a liberação de sumidouros naturais de carbono, portanto, liberando CO2, sem a criação de sumidouros de carbono adicionais. Isso significa que o valor líquido de CO2 está aumentando ao longo do tempo devido ao nosso envolvimento, embora a nossa produção total seja inferior a fontes naturais.

Uma das coisas interessantes é que as saídas naturais de CO2 e as saídas causadas por humanos contêm diferentes isótopos. A queima de combustíveis fósseis emite CO2 que tem menos 14C e 13C do que as fontes naturais. Usando aneis de árvore datados, pode-se mostrar que a proporção de CO2 contendo 14C na atmosfera diminuiu substancialmente antes da década de 1940, quando, em grande parte, por causa das bombas atômicas usadas como armas defensivas realmente negaram a nossa capacidade de fazer esse teste. Mas testes confirmaram o teste 13C e o 14C e mostraram que a queima de combustíveis fósseis é um número contribuinte para o aumento do CO2 na atmosfera. [31]

A atividade vulcânica, especificamente a atividade vulcânica subaquática, é frequentemente citada (geralmente baseando-se nos escritos de Ian Plimer) como produzindo mais CO2 do que os humanos. Isso, no entanto, é comprovadamente falso.

Curiosamente, alguns negam também apontando as quantidades significativas de CO2 criados pelo gado, e de alguma forma totalmente ignoram que esses animais são criados e mantidos por seres humanos, tornando as emissões algo criado pelo homem. Porém, é claro que a queima (antrópica) de combustíveis fósseis é responsável.

A reivindicação mais bizarra foi feita por Tom DeWeese do Centro de Política Americana, dizendo que as árvores emitem CO2, em vez de absorvê-las. Ele também alegou que o ambientalismo foi o trabalho de líderes comunistas empenhados em destruir as liberdades do Ocidente após o colapso da União Soviética, o que indica que o seu áudio ao vivo e Dunning-Kruger, muitas vezes, andam de mãos dadas. [32] Estudos científicos provam que o Aquecimento Global não pode ser causado por forças naturais por si só. [33]

Mesmo se não for por causa dos seres humanos que esteja ocorrendo o aquecimento global, isto não é absolutamente uma razão para não fazer algo sobre isso. Seria tão uma decisão tão estúpida quanto seria não evacuar as pessoas de um terremoto, furacão, tufão ou erupção da entrada de um vulcão, simplesmente porque os seres humanos não os fizeram acontecer.

Níveis de CO2 descem quando a temperatura aumenta

Houveram várias grandes mudanças no clima da Terra ao longo de sua história de 4,5 bilhões de anos. Estes incluíram efeitos espetaculares, como a "Terra bola de neve" e os períodos de intenso aquecimento global. Estes períodos de aquecimento e arrefecimento, todos eles, têm uma série de causas que envolvem principalmente laços de realimentação positivos, como o gelo que refletia para o sol de volta ao espaço causando mais gelo, refletindo mais sol e ciclos de Milankovitch, variações na órbita da Terra que têm um efeito sobre o clima. O aquecimento teve laços de realimentação positivamente semelhantes, que inicialmente poderiam ter sido causados por um dos muitos fatores, mas, eventualmente, o aquecimento aumentou os níveis de CO2 que então causou ainda mais aquecimento. O fato de que o nível de CO2 aumentado não é responsável ​​totalmente pelo início de todos os eventos de aquecimento global do planeta não nega o fato de que o CO2 na atmosfera causa o aquecimento. Com efeito, dado que o CO2 não permanece para o aquecimento atual é mais uma evidência que demonstra que ciclos naturais estabelecidos não são a causa do aquecimento.

O vapor de água é um gás de efeito estufa mais importante

O vapor de água é um dos gases de efeito estufa mais potentes na atmosfera da Terra e é responsável por uma parte substancial do efeito estufa que eleva a temperatura da Terra a partir de inóspitos 19 graus abaixo de zero para mais temperados 16 graus acima do zero. Negacionistas do aquecimento global têm usado isso para afirmar que o dióxido de carbono (CO2) é um gás sem importância do efeito estufa - e isso pode ser acoplado com o fato de que a queima de combustíveis fósseis (oxidação) resulta na liberação de vapor de água, além de dióxido de carbono.

No entanto, este argumento de que o CO2 não é a causa de acidentes de aquecimento global (possivelmente intencionalmente) possui vários fatos importantes. Em primeiro lugar, muitas vezes o vapor de água é saturado na atmosfera. Em altas altitudes, onde a temperatura é baixa, o vapor de água condensa-se e arrefece para formar nuvens, e, se as gotículas de água forem grandes o suficiente, o que leva à chuva. A quantidade de vapor de água, por conseguinte, é largamente dependente da temperatura. [34] Adicionar água na atmosfera pode alterar os padrões de tempo, mas a sua concentração não difere nas escalas consideradas pelos cientistas do clima. Como é removido da atmosfera numa escala de tempo rápida, pode provocar alterações de duração extremamente curtas de temperatura, e por isso é a causa de uma duração muito anormal, mas de curta duração, de tempo. O dióxido de carbono, por outro lado, tem um tempo muito maior de vida na atmosfera e a sua concentração não é limitada pela saturação da atmosfera. Isso torna o efeito que o CO2 tem sobre o clima da Terra uma força considerável. [35]

Foi mais quente no passado, então é apenas cíclico

Embora seja verdade que houveram padrões cíclicos de mudanças de temperatura ao longo da história do nosso planeta, isso não significa que as causas são desconhecidas, incognoscíveis, ou foram todas as mesmas. A aplicação do método científico é ótimo para trabalhar fora das relações causa/efeito. Os cientistas conseguiram ligar vários ciclos de aquecimento e esfriamento na história geológica a causas específicas. Eles também têm mostrado que o aquecimento moderno é devido à queima adicionada pelos seres humanos de combustíveis fósseis e destruindo muito carbono. Padrões climáticos naturais últimos que eram destrutivos foram associados com períodos frios, enquanto a catástrofe futura projetada pelo Aquecimento Global Antrópico vai ser associado ao aquecimento; Isto torna as alterações climáticas provocadas pelo homem muito piores do que a mudança climática que ocorre naturalmente. [36]

A existência de ciclos de aquecimento anteriores não nega a gravidade do atual. Estes ciclos anteriores destruiram grande parte da vida no planeta, e se efeitos semelhantes ocorrerem hoje, eles provavelmente iriam destruir toda a civilização humana, juntamente com a humanidade que a criou. Isto significa que a própria Terra vai sobreviver, mas nenhum negacionista poderia se regozijar disto.

O aquecimento global tem mais a ver com o sol do que com a Terra

Mudanças no sol não têm sido responsáveis por tendências climáticas recentes; não houve qualquer mudança significativa na produção de energia total do sol desde que começaram a medi-la, e nenhuma mudança no sol ou fenômeno solar correlaciona-se com o aumento das temperaturas. [37] Uma coisa que pode mudar são pequenas perturbações na órbita da Terra que desenham o planeta mais perto ou mais longe da órbita do sol. Estas perturbações podem estar ligadas ao início de várias das principais mudanças climáticas da história geológica da Terra. No entanto, a mudança real na temperatura devido a estas mudanças orbitais é pequena e as grandes mudanças de escala são devido a laços de realimentação localizadas na Terra empurrando as coisas em uma direção ou outra.

Não há nenhuma evidência de que uma mudança tão orbital esteja acontecendo agora, mas mesmo se ela estiver, isto só pode explicar uma percentagem muito pequena do aumento da temperatura global. Esse problema também foi um ponto de discórdia na controvérsia entre Soon e Baliunas.

Deve ser o sol, porque Marte e Plutão estão aquecendo demais

Muitos dos planetas e luas (e um certo planeta anão) do nosso sistema solar são grandes o suficiente e geologicamente ativos o suficiente para ter tanto uma atmosfera quanto um clima. Em qualquer dado sistema, haverão alguns planetas com temperatura crescente e alguma diminuição da temperatura. Isto é devido a alterações no clima localizado, tal como o é com terra. As causas são diferentes para cada planeta e isto têm pouca ou nenhuma influência sobre o outro.

Mesmo que o sol tenha um papel, não é provável que nossas atividades estejam ajudando nesta situação. Na verdade, seria ainda mais incentivor temperar nossas obras, porque a atividade antropogênica combinada com a atividade solar, obviamente, é igual a taxas ainda mais elevadas do aquecimento.

ilhas de calor urbanas

Este ponto sustenta que leituras das estações meteorológicas são afetadas por sua proximidade com cidades, ou "ilhas de calor urbanas". Veja o artigo sobre Patrick Michaels, um proponente notável deste argumento, para um tratarmos deste ponto.

Ei, olha! Não houve nenhum aquecimento global desde 1998

Uma das reivindicações mais populares feitas contra a ciência do clima é que não tem havido "nenhum aquecimento global desde 1998", ou mesmo o argumento que têm havido um padrão de "resfriamento global" desde aquele ano. Os que dão esse argumento incluem Tim Ball, Nigel Lawson, Fred Cantor, Andrew Bolt and Christopher Monckton. As origens deste argumento não são claras; talvez ele pudesse ter se originado em uma coluna por Bob Carter, que apareceu no Daily Telegraph em 2006. [38]

Sem título-2

Negacionistas adoram usar o Cherry Picking para cada ligeiro aumento para fazer parecer que o gelo do Ártico parou de derreter.

Este argumento falha por várias razões: ele só leva em conta as medições por satélite (UAH e RSS), que não mede diretamente as temperaturas da superfície. Esses satélites não são apenas dirigidos por negadores conhecidos como John Christy e Roy Spencer, mas eles são financiados em parte pela Exxon. Não há nenhum conflito de interesses lá! Por outro lado, ambos os conjuntos de dados de temperatura da superfície que são cientificamente aceitos (GISS e HATCET4), apenas financiados por fontes do governo, mostram que o aquecimento não só continua, mas está se acelerando na fechadura e em passo com as emissões de CO2. Mais importante, este é um dos melhores exemplos de cherry picking desde que negadores só olharam para os conjuntos de dados que correspondem as conclusões que eles querem ver. Demandas de negação clássicas do clima é que a média de medições da temperatura global devem ser tomadas a partir do pico do ano mais quente e comedido no ponto do ano mais frio. Se os negacionistas nunca escolhessem ambos os lados do ano de 1998 como seu ponto de partida, o argumento iria afundar mais rápido que o Titanic. Isso ocorre porque a nível mundial, 1998 foi um ano recorde de calor devido a um El Niño muito forte. [39] [40]

Usando evidências anedóticas

Usar argumentos como "Uau, como está frio hoje! Aquecimento global, seu burro!" ou "Veja! Está nevando em Atlanta pela primeira vez em anos!" para argumentar que "o aquecimento global" abusa de dados numéricos, uma vez que, mesmo sem o aquecimento global, existem flutuações nas temperaturas locais. O aquecimento global refere-se a um aumento médio global das temperaturas do ar e da água. Além disso, o aquecimento global vai resultar em algumas áreas locais que são mais frias, apesar da média global aumentar.

Curiosamente, este é um argumento comum usado pela Fox News e outras organizações de direita, que muitas vezes afirmam que os cientistas estão apenas usando anedotas de um clima quente como prova do aquecimento global quando o oposto é verdadeiro. Ainda mais estranho é quando alguém pergunta onde o aquecimento global está porque está nevando onde vivem, e alguém responde de volta com "Está 75º (Fahrenheit) e ensolarado aqui, daqui até as montanhas", e muitas vezes há uma persistente silêncio. Aparentemente, a evidência anedótica não tem permissão para funcionar nos dois sentidos.

Alegando que não há consenso em relação ao aquecimento global

Negar o aquecimento global muitas vezes é tentar alegar que não há consenso científico, apesar do fato de que o IPCC - o principal órgão internacional associado a investigar o fenômeno - diz: "O aquecimento do sistema climático é inequívoco, como agora é evidente a partir de observações do aumento na temperatura do ar e do oceano médio global, derretimento generalizado da elevação do nível do mar médio global de neve e gelo e... Não há alta confiança de que o efeito líquido das atividades humanas desde 1750 não tenha causado um dos aquecimentos." [41][41] Apesar desta afirmação , negacionistas tentaram usar métodos como a Petição (desacreditada) de Oregon, em um esforço para provar o seu caso.

Um estudo de 2004 por Naomi Oreskes revisou mais de 900 artigos científicos e não encontrou nenhum que discordasse do consenso. [42] A crítica deste estudo têm sido ignorada, mas isto continua a ser repetido nos círculos negacionistas. [43] Por exemplo, Lawrence Solomon tem afirmado que Bennie Peiser, o cientista britânico que fez a crítica, na verdade nunca retirou-o da Wikipedia e isto é "censura" contra ele. [44]

O gelo marinho antártico está aumentando

Muitos negacionistas irão apontar para os dados sobre o gelo marinho da Antártida como prova de que o aquecimento foi interrompido, mas eles ficam bastante desconfortáveis quando você aponta o fato de que o gelo do mar Ártico e do mar total global estão nos mínimos históricos, e continuam a diminuir em taxas alarmantes. Na verdade, há uma explicação científica para o registro do gelo da Antártida. Como o gelo derrete na terra, ele flui para o oceano, reduzindo a salinidade do oceano e, por sua vez, aumentando o ponto de congelamento da água.

É precisamente por causa do fato de que a Antártida está derretendo e o gelo do mar está crescendo, e os cientistas vêm prevendo isso o tempo todo, não só por causa do derretimento na terra, mas também porque o Aquecimento Global Antropocêntrico faz com que o vento aumente, soprando mais neve para o oceano, e criando ainda um efeito de queda de neve, reduzindo ainda mais a salinidade. [45] Os cientistas dizem que esse efeito é apenas temporário, e que, quando a neve na terra for reduzida pelo vento e derreter a um certo ponto de inflexão, o derretimento do gelo do mar vai acelerar.

Resfriamento global?

Cientistas notaram que, historicamente, o mundo têm ido em direção a uma era do gelo. [46] Uma minoria dos cientistas em 1970 e anteriormente também previam que a poluição teria efeito de arrefecimento devido ao aumento da cobertura de nuvens de fábricas e outras emissões. Isso realmente é um caso e pode mudar os modelos e o curso de ação apropriado. Por exemplo, após o fechamento do tráfego aéreo mundial no 11/9, e a falta de rastros que levaram à descoberta do avião que agiu para estabilizar a temperatura do ar ao longo do dia [47]. O mundo real é complicado, e as pessoas usam a ciência para descobrir como ele funciona. Como tal, o conhecimento científico caminha sempre para a frente, e, obviamente, o mundo está aquecendo. Mas os poucos trabalhos publicados têm sido suficientes para "céticos do clima" retirarem minas para citações.

Falar sobre resfriamento global baseado em uma minoria é às vezes chamado de falácia da era do gelo.

[Edição Brasileira] Para esclarecer melhor acerca deste argumento usado constantemente, preparamos um artigo sobre isto.

Climategate

Veja o artigo principal sobre este tema: Climategate

Climategate foi uma alegação que os documentos foram divulgados para parecerem indicar uma conspiração para promover o aquecimento global entre cientistas do clima... se você não entender a linguagem da ciência do clima.

Como lidar com negacionistas do aquecimento global

as Ciências Comportamentais/sociais nos dizem que simplesmente empurrar dados científicos relacionados com o aquecimento global em seu rosto simplesmente solidifica suas crenças existentes. [48]. Não há uma faculdade que ofereça aulas on-line gratuitas que lhe ensine tanto a ciência do que está acontecendo e como combater o negacionismo corretamente. [49]

Uso cínico das palavras

"O que eu estou sugerindo é que temos uma espécie de histeria eco-evangélica acontecendo e isso me leva a quase me perguntar se estamos nos tornando uma nação de hipocondríacos ambientais que estão dispostos a usar o poder do Estado para impor enormes restrições sobre os direitos e os confortos, e os rendimentos dos indivíduos que servem essencialmente a essa paranóia, fobia, que tem muito pouca evidência ou verdade de fato. Ora, estas são observações que são populares, porque agora é quase tomado como um artigo de fé que esta crise é real. Deixe-me dizer que eu o tomo como um artigo de fé se o Senhor Deus Todo-Poderoso fez os céus e a terra, e os fez para sua satisfação e é muito pretensioso de nós, pequenos e fracos aqui na terra, pensarmos que vamos destruir a criação de Deus."

- Dick Armey (R-TX), sobre o aquecimento global [50]

Além de cinismo, negadores do aquecimento global também gostam de ridicularizar os adversários. Enquanto não há nada de errado para eles "atirarem merda", duas palavras usadas ​​por negadores do aquecimento global, a fim de implicar falsos ou alarmismo.

CAGW

"CAGW", é o termo em inglês para "aquecimento global antropogênico catastrófico", é uma palavra-chave dos que negam o aquecimento global usado pela ciência estabelecida sobre a mudança climática. Uma busca no Google Scholar indica que o termo nunca foi usado na literatura científica sobre o clima. [51]

Não está claro exatamente quando ou como os que negam adotaram o CAGW ao longo da sigla AGW (Aquecimento Global Antropogênico, sigla em inglês) usado pelas pessoas comuns. O termo foi usado nos comentários do blog no New York Times [52] e no ScienceBlogs já em 2008, [53] e é provável que tenha sido usado anteriormente. Por volta de 2011, CAGW tinha se tornado comum em blogs negacionistas como os de Anthony Watts ou Judith Curry, e ao longo do próximo ano ou dois, AGW foi essencialmente substituído em tais locais estimados. Apesar do qualificador, negam aplicar o termo indiscriminadamente a qualquer coisa que aproxime a uma visão científica dominante sobre o clima, independentemente de haver ou não resultados "catastróficos" implícitos.

Quanto à motivação, é uma tentativa de mover os postes. Negacionistas perceberam que tinham perdido a discussão sobre o bom e velho "aquecimento global antropogênico" - a física básica do problema têm sido conhecido desde o século 19, [54], de modo que a rejeição ao AGW pinta-se a título definitivo como um mergulhão. Adicionar "catastrófico" dá muito espaço de manobra para o negacionismo. [55] O nível do mar sobe um pé? Apenas algumas ilhas do Pacífico perderam tudo; nenhuma catástrofe. O nível do mar sobe mais alguns pés? As Filipinas são inundadas para fora e perdemos cidades costeiras como Londres e Nova York. Mas com algumas trilhões de dólares, podemos movê-los para o interior; nenhuma catástrofe. E assim por diante.

Potholer54 tem sarcasticamente sugerido renomear CAGW para EAGW, com o "E" sendo de "expansivo". [56]

Aquecimentista

"Aquecimentista" é uma palavra usada por negadores do aquecimento global para descrever alguém que é percebido como "crente" nas mudanças climáticas antropogênicas. O termo é comparável a "evolucionista" entre YECs.

Originalmente, antes do consenso ser obtido, o prazo era de valor neutro. Aqueles que defendiam a teoria do aquecimento global foram apelidados de "aquecimentista" e aqueles que eram contra foram chamados de "friistas" ou "fridistas". [57] Pós-consenso, o termo aquecimentismo agora é usado em um sentido depreciativo, muitas vezes, como em "o culto aquecimentista"," a religião aquecimentista", ou "os aquecimentistas." Al Gore é muitas vezes considerado o "sumo sacerdote do culto aquecimentista". [58] O termo "friista" tem, em maioria, caido em desuso, sendo em grande parte substituído por "cético" (para os jornalistas que querem fazer parecer que o jogo está equilibrado) ou "negacionista". A terminologia "Aquecimentista" versus a terminologia "negacionista" é semelhante a "evilutionist" ou "darwinista" contra criacionista no debate sobre evolução, exceto que o antigo par tende a ser usado com mais seriedade do que o último.

Um terceiro termo depreciativo, mas em menor uso, tem se posicionado entre a dicotomia "aquecimentista/negacionista" - "Lukewarmer" [N.T.: o que nós, em português, caracterizamPolíticas dos EUAs como "isentões"), ao contrário dos outros dois rótulos, no entanto, "lukewarmer" é muitas vezes usado como um termo auto-descritivo não-irônico. Lukewarmers tendem a rejeitar liminarmente os negacionistas da ciência do clima em favor das sistematicamente baixas estimativas do IPCC (veja também Bjorn Lomborg). [59]

Políticas dos EUA

Embora esta seja uma questão de ciência e, portanto, uma questão de realidade, de alguma forma, tornou-se uma questão política, onde as pessoas acreditam que podem tornar [o assunto] verdadeiro ou falso com base em suas crenças, e os congressos podem simplesmente votá-lo para fora da existência, ou o a opinião pode expulsá-lo.

Eleições americanas de 2008

Embora os negadores do aquecimento global sejam, provavelmente, mais comuns nos Estados Unidos do que no resto do mundo, é possível que o argumento do aquecimento global tenha vencido até lá. Nenhum dos principais candidatos presidenciais de 2008 foi um negacionista do aquecimento global (embora Sarah Palin, a candidata republicana que era irremediavelmente ignorante para ser Vice-Presidente, foi uma negacionista, posteriormente alegando o Climategate e implicando que não há consenso entre os cientistas [60]) e todos eles tinham algum compromisso sobre fontes renováveis ​​de energia. [61] Embora isso possa ter sido, em parte, por causa da ameaça do pico do petróleo, ele sugere que o tempo de interferência política na ciência do aquecimento global possa estar chegando ao fim.

O único candidato explicitamente negacionista que tinha esperança de terceiros era o candidato do Partido Libertário Bob Barr. [62]

Por outro lado...

Apesar da insistência de Barack Obama por uma economia verde, ele não conseguiu ter sua maior legislação climática passada em seu primeiro mandato. Ele prometeu prosseguir a legislação no sentido de reduzir as emissões, e em 2014 expandiu os poderes da EPA (Agência de Proteção Ambiental dos EUA, sigla em inglês) para reprimir as usinas de carvão - "Fornecer um modelo para a futura regulamentação", um movimento que foi considerado "modesto", mas poderia alcançar algo [63]. Mitt Romney, o candidato republicano de 2012, afirmou que no passado ele acreditava na mudança climática global, mas havia mudado de opinião sobre o assunto [64], o próximo candidato do partido republicano provavelmente fará o mesmo em 2016 - embora com um prejuízo de perder os eleitores independentes. [65]

Efeitos

Os efeitos do aquecimento global serão muitos, variados e quase totalmente negativos. [66] Fingir que o aquecimento global não está acontecendo não vai fazer isso ir embora.

Negativos

"O perigo do aquecimento global ainda é invisível, mas real o suficiente para nós fazermos mudanças e sacrifícios, para que não vivamos às custas das gerações futuras. Nossa capacidade de unir-nos para parar ou limitar os danos ao ambiente do mundo será talvez o maior teste de quão longe podemos agir como uma comunidade mundial. Ninguém deve subestimar a imaginação que será exigida, nem o esforço científico, nem a cooperação sem precedentes que teremos de mostrar. Precisaremos de estadistas de uma ordem rara". Margaret Thatcher, 1990 [67]

  • Elevação do nível do mar: a previsão mais conservadora de aumento do nível do mar atualmente é previsto em 9-88 cm (3.5-34.6 polegadas). Este pequeno aumento seria suficiente para causar perturbações significativas nas comunidades costeiras.

Existe a possibilidade, no entanto, que todo o gelo da Groenlândia derreteria, levando a um aumento global de 7m. Existe até a possibilidade de que a camada de gelo da Antártida Ocidental pode derreter o aumento do nível do mar por mais seis metros (20 pés). Embora o resto da Antártida seja considerado estável, toda a Antártida estaria derretendo, e isso elevaria o nível do mar em 62 metros (203 pés). [68] Embora isto não seja o suficiente para transformar a Terra em um mundo de água, é mais do que suficiente para causar um aumento para tornar cada grande cidade costeira no planeta inabitável. Quer uma visualização? Diga adeus a Miami, Nova York, Nova Orleans, Veneza, Tóquio, Mumbai e Xangai. [69]

Além dos aumentos no nível do mar causado pelo derretimento das geleiras, o nível do mar subiria também como consequência da expansão térmica da água mais quente.

  • Sistemas meteorológicos mais ativos: Mais energia na atmosfera levará a sistemas meteorológicos mais ativos, com tempestades mais frequentes e mais violentas. Eventos climáticos mais severos, tais como tempestades, inundações, ondas de calor e furacões será o resultado. [70] Os furacões se tornarão mais graves e de longa duração com a Terra se aquecendo, especialmente devido ao aquecimento dos oceanos. E com as temperaturas da superfície do mar quentes acima de 26 ° C, que são necessários para formar furacões e ser capazes de se sustentar, porque o calor que alimenta os furacões é a partir do calor latente de condensação.
  • Padrões de precipitação perturbados: Os padrões de precipitação serão significativamente perturbados com as inundações em alguns lugares e secas em outras. Regiões mais próximas do equador (África Central, América Latina, Índia, Sudeste Asiático, etc.) são mais propensos a enfrentar extrema vulnerabilidade. [71]
  • Acidificação dos oceanos: O oceano tem uma capacidade limitada para dissolver o dióxido de carbono antes que ele deixa de absorver mais, assim, levando a um aquecimento adicional. Isso também causaria grandes danos às populações de peixes. A acidez (pH) do oceano é atualmente ~ 8,0, ligeiramente alcalino, e os primeiros sinais de aumento da acidez (e temperatura) é o branqueamento dos corais, onde os mutualistas fotossintéticos no coral morrem, levando ao colapso dos recifes de corais que são frequentemente descritos como as "florestas tropicais do mar", devido ao nível de biodiversidade.
  • Pontos de inflexão/laços de realimentação: Há muitos pontos de ruptura possíveis e laços de realimentação. Por exemplo, se o aquecimento global faz com que o gelo permanente do norte derreta, isso irá liberar grandes quantidades de metano, que tornará o problema muito pior. Pensa-se que uma versão semelhante de hidrato de metano congelado, a partir dos pisos do Oceano Ártico, tenham resultado em um efeito estufa no final do período Permiano, que pode ter sido uma das principais causas da extinção em massa Permiana.
  • Propagação de doenças tropicais: Como latitudes setentrionais se tornando mais quentes, raras doenças tropicais irão ganhar maior proporção [em áreas] de latitudes mais ao norte [72]. A Organização Mundial da Saúde identificou mais de 30 doenças novas ou ressurgentes nas últimas três décadas, o tipo de explosão [populacional] que alguns especialistas dizem que não acontecia desde a Revolução industrial trouxe massas de pessoas juntas em cidades. Outro relatório feito pela OMS em 2000 descobriu que o aquecimento causou a malária, espalhado a partir de três distritos no oeste do Quênia e levou a epidemias da doença para a Ruanda e a Tanzânia [73]. No entanto, a relação pode não ser sempre tão simples. - um estudo demonstrou que temperaturas mais quentes podem aumentar o número de parasitas da malária, mas também diminuir a taxa em que eles se tornam infecciosos. [74] na Suécia, casos de encefalite transmitida por carrapatos têm aumentado em correlação direta com invernos mais quentes. Mosquitos vindos do tigre asiático, do tipo que carregam dengue, têm sido relatados recentemente indo para o norte, chegando na Holanda. A cólera, que prospera em águas mais quentes, apareceu nas águas recém-aquecidas da América do Sul em 1991, pela primeira vez no século 20. "E foi transmitida do Peru, indo para todo o o continente e parando no México, matando mais de 10.000 pessoas." Uma vez confinados à terra perto do equador, vírus do Nilo Ocidental são agora encontrados tão ao norte quanto no Canadá. Sete anos atrás, o vírus do Nilo Ocidental nunca tinha sido visto na América do Norte; hoje, "infectou mais de 21.000 pessoas nos Estados Unidos, e no Canadá matou mais de 800". [75]
    • O tempo frio não mata os carrapatos que carregam a doença de Lyme. Carrapatos recentemente começaram a se espalhar ao longo das costas da Escandinávia, que anteriormente era muito fria para eles sobreviverem. Casos de doença de Lyme na área dobraram desde o final da década de 1990. [76]
  • Interrupção das correntes oceânicas: A interrupção das correntes oceânicas pode obstruir a Corrente do Golfo, com consequências imprevisíveis. O derretimento das camadas de gelo poderiam resultar no enfraquecimento da circulação termohalina, com o Ártico e o Oceano Antártico quentes, diminuindo a diferença de temperatura e, assim, o fluxo de calor, como é redistribuído nas regiões equatoriais às altas latitudes. Acredita-se que o colapso das correntes oceânicas podem levar a níveis extremos de anóxia no oceano, porque as correntes são essenciais para o transporte de oxigênio dissolvido inferior a 500 metros de profundidade. Isto pode querer dizer acabar com a esmagadora maioria da vida oceânica multi-celular.
  • Perda de habitat, junto com a mudança ocorrida mais rapidamente do que os animais podem se adaptar: zonas de temperatura irão mover-se no norte e no sul muito rapidamente para animais acompanharem ou adaptarem-se aos novos habitats. O caso mais extremo é o de habitats árticos que vão deixar animais, como os ursos polares, com nenhum lugar para ir. Em 2007, o ministro do Meio Ambiente da Indonésia anunciou que estudos científicos estimam que cerca de 2.000 das exuberantes ilhas tropicais do país poderiam desaparecer até 2030. [77] Desertos já começaram aumentando de tamanho em direção a latitudes mais altas, e são estimados para aumentar de tamanho de 10%-30% até o final do século 21. [78]
  • Perda de geleiras das montanha: os glaciares da montanha funcionam como reservatórios naturais, liberando neve do inverno com a água do degelo durante o verão. O aquecimento global vai perturbar este sistema de duas maneiras:
  1. O aquecimento global vai derreter as geleiras existentes. [79]
  2. Mais chuva vai cair em vez de neve, o que irá impedir a reforma das geleiras. O resultado disto será a ocorrência de mais inundações quando chove e secas quando isso não acontece. [80]
  • Efeitos Sociais: O aquecimento global e o recuo do gelo do Ártico já está causando repercussões sociais em várias nações. Um bom exemplo disso é a batalha pelo controle do Hans Island. Hans Island é um pedaço estéril e desabitado de rocha com só dois quilômetros quadrados de área de superfície que é cortada pela linha divisória entre os respectivos territórios da Gronelândia e do Canadá. [81] No passado, a soberania desta ilha insignificante e não era discutida, pois era economicamente sem valor, mas com o verão, o bloco de gelo que nunca recua pode em breve será o caso de que o controle da Ilha de Hans conceda acesso a enormes depósitos de hidrocarbonetos inexplorados, bem como o controle de transporte através da Nares Srait.

Tem havido considerável tensão diplomática entre o Canadá e a Dinamarca (que representam os interesses da Gronelândia em todos os assuntos internacionais) sobre a soberania da ilha. Ambos os países fizeram expedições na ilha para plantar suas respectivas bandeiras e afirmar a sua reivindicação da ilha. Como todas as boas questões controversas, a batalha pela Ilha de Hans gerou um grande número de sites-paródia na Internet. [82] [83] O aquecimento global é ruim por uma série de razões.

  • Um aumento dramático no nível do mar. O aquecimento global vai causar um aumento no nível do mar, continuando em uma quantidade incerta. O IPCC relata uma gama de 9-88 cm (3,5 - 34,6 polegadas) até 2100, mas contribuições adicionais são possíveis a partir geleira e folhas de gelo altas da Groenlândia e da Antártida. Mesmo esse pequeno aumento poderia causar perturbações significativas para as comunidades costeiras. Se todo o gelo da Groenlândia derreter, isso levaria a um aumento global de 7m (23 pés).
  • sistemas meteorológicos mais ativos. Mais energia na atmosfera levará a sistemas meteorológicos mais ativos, com tempestades mais frequentes e mais violentas.
  • padrões de precipitação perturbado. padrões de precipitação serão significativamente perturbados, com inundações em alguns lugares e secas em outros.
  • A acidificação dos oceanos. O dióxido de carbono se dissolve na água por meio de reação para gerar o H2CO3 (ácido carbônico), causando grandes danos às populações de peixes e recifes de coral. Note que esta não é uma consequência do aquecimento: é uma consequência do agente, forçando CO2. Para piorar a situação, esta acidificação parece ter sido um fator importante para o Evento de extinção Permiano-Triássico - a extinção mais grave que já aconteceu na Terra - E, possivelmente, todas as extinções que não sejam o Cretáceo [84]
  • pontos de ruptura/laços de realimentação. Há múltiplas possibilidades aqui. Com geleiras desaparecendo, o planeta não vai refletir muito a radiação solar de volta ao espaço, levando a mais aquecimento. Quando o gelo permanente do norte derreter, o material orgânico vai se decompor e liberar metano, mais uma vez levando a mais aquecimento. Com os oceanos quentes, a sua capacidade de dissolver reduções de dióxido de carbono, e se alguma vez atingir uma certa temperatura, o metano armazenado sob pressão no fundo do mar irá evaporar, levando a (você acertou) mais aquecimento.
  • Propagação de doenças tropicais. Como latitudes setentrionais se tornando mais quentes, vetores que espalham doenças tropicais (como mosquitos ou outros organismos) começarão a invadir novas áreas.
  • Interrupção das correntes oceânicas. Por exemplo, o rompimento das correntes oceânicas poderia reduzir a força do Atlântico Norte que mantém a Europa relativamente quente para a sua latitude.
  • Perda de habitat ou mudança mais rapidamente do que plantas ou animais podem se adaptar. Mecanismo como a migração de espécies ou mudanças nas fronteiras do ecossistemas, muitas vezes são lentos, e em alguns casos pode ser mais lento do que a velocidade da mudança climática. Alguns habitats podem desaparecer completamente:. A perda do clima polar vai deixar animais, como ursos polares, presos - ou terão que realmente cruzar com outras espécies locais [85]
  • A perda de geleiras de montanha e neve acumulada aumentarão as secas de verão. Geleiras, e locais com acúmulo de gelo, como reservatórios naturais, por exemplo, irão liberar a água que iria se transformar em neve, vários meses mais tarde, para depois o verão chegar e a neve derreter. A perda deste mecanismo de armazenamento natural vai levar a inundações no inverno e secas no verão.
  • E, se você dormiu sobre essa lista, apenas lembre-se das consequências graves para estocar café, chá e chocolate. [86] [87] [88]
  • Efeitos agrícolas: A seca e a inundação podem ter grandes influências sobre a agricultura, [89] poderiam causar grandes mudanças na temperatura. Isso poderia ter grande impacto econômico nos países desenvolvidos e ameaçar o abastecimento de alimentos nos países pobres. Efeitos sobre a agricultura podem ter resultados positivos ou negativos, mas no geral, a atividade agrícola se tornaria menos previsível. [90]

Nem todas essas consequências estão certas, e algumas podem ser mitigadas. Por exemplo, enquanto que o aquecimento global pode tender a promover a disseminação de doenças tropicais, os avanços nas medidas da medicina ou o controle (pulverização de insetos, drenagem de pântanos) poderia contrariar isto, como já aconteceu durante a era industrial para uma série de doenças anteriormente comuns.

Igualmente no entanto, provavelmente haverá muitas consequências adicionais inesperadas - provavelmente negativas.

Se as alterações climáticas não soaram tão ruim, considere que passamos os últimos cem anos construindo cidades em locais que não inundam, fazendas em locais com água suficiente, e hotéis de gelo em locais com, bem, gelo. Há uma enorme quantidade de dinheiro e esforço humano contando com o tempo ficando apenas da maneira que ele deve estar.

Efeitos positivos

"O aquecimento global, assim como a globalização, é bom para a economia e, portanto, para a humanidade:

  • A elevação do nível de água vai forçar as pessoas a se mover, construir novas casas e gastar mais.
  • A indústria aérea será impulsionada pelo aumento da quantidade de viagens com as pessoas fugindo das zonas de desastre.
  • Os gastos dos consumidores vai aumentar, na medida em que há menos preocupação com a poupança de longo prazo.
  • A inflação será contida, já que o excesso de dólares norte-americanos serão queimados em incêndios florestais."

- Presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke (para aqueles com detectores de sarcasmo desligado, sim, esta é uma paródia). [91] Também deve ser notado que as temperaturas médias globais foram maiores durante o período jurássico do que são hoje. Isto não significa, infelizmente, que o aquecimento global vai trazer de volta os dinossauros extintos. Os que vivem atualmente tais como galinhas, por outro lado, podem evoluir para preencher os novos nichos. Então, se você quer um mundo onde seus filhos insignificantes sejam meros pedaços de carne para o todo-poderoso Galossaurus Rex, troque seu SUV por um Hummer.

Aposta do aquecimento global

A "aposta do aquecimento global" é uma aplicação dos princípios da aposta de Pascal com a teoria antropogênica do aquecimento global. [92] Ou seja, mesmo se não estivermos 100% certos de que o aquecimento global está acontecendo, temos de nos preparar para o pior cenário, de qualquer maneira: "os colunistas do Businessweek Jack & Suzy Welch dizem acreditar que, independente do impacto do aquecimento global acabar sendo leve ou grave, as empresas têm de adotarem uma mentalidade do tipo "aí vem ele" e montar um plano bem fundamentado. Qualquer outra resposta seria mau negócio". [93]

Desde que a aposta de Pascal tem várias questões lógicas conhecidas, um crítico pode acusar esta versão de sofrer de falhas semelhantes; No entanto, há algumas diferenças importantes entre os dois. Primeiramente, os efeitos da poluição gerada pelo homem sobre a temperatura da Terra têm sido e estão sendo observados diretamente; Deus não. [94]

A forma mais geral da aposta do aquecimento global é o princípio da precaução.

Conspirações

"Ideia-trama: 97% dos cientistas do mundo inventaram uma crise ambiental, mas são expostos por um grupo corajoso de bilionários e empresas petrolíferas." - Scott Westerfeld

A "Teoria da Conspiração do Aquecimento Global" (GWCT, sigla em inglês) refere-se às ideias questionáveis ​​cogitadas pelos que negam o aquecimento global que o aquecimento global ou não está acontecendo ou está sendo publicado de forma mais sensacionalista por um grupo de pessoas que sentem que têm alguma vantagem a ganhar promovendo as evidências do aquecimento global.

Além da natureza geralmente absurda de muitas destas teorias, elas geralmente não conseguem responder como a conspiração remonta à descoberta do efeito estufa, em 1859 (talvez Al Gore tenha inventado uma máquina do tempo depois de ter feito a Internet) de John Tyndall. [95]

Teorias

"O chamado aquecimento global é apenas um truque secreto feito por abraçadores de árvores malucos para tornar a América independente energeticamente, limpar o nosso ar e água, melhorar a eficiência de combustível de nossos veículos, alavancar as indústrias do século 21, e fazer nossas cidades mais seguras e mais habitáveis. Não deixe-os fugir com ela!" - Chip Giller [96]

Como é típico de muitas teorias da conspiração, não há uma teoria, mas várias outras [ideias] contraditórias. Alguns dos mais identificados aqui estão agora um pouco fora de data, e não há dúvida que teóricos da conspiração já inventaram algumas outras razões criticadas por pessoas que apoiam a "conspiração". Devido à multiplicidade de teorias contraditórias, é uma boa ideia para obter um negacionista do aquecimento global declarando explicitamente qual a "teoria" em particular que eles estão apoiando.

A genealogia das teorias da conspiração sobre mudanças climáticas podem ser encontrados no International Journal of Inactivism. [97]

A seguir, estão algumas das muitas conspirações específicas identificadas em relação ao aquecimento global. Note-se que esta lista conspirações em vez de negações definitivas, embora muitas vezes elas estejam em conjunto.

  • Esquema de dominação mundial das Nações Unidas: Aparentemente, um indivíduo chamado "Maurice Strong" está por trás de uma tentativa de usar as Nações Unidas e o quadro da Convenção sobre Mudança Climática Global para... bem... assumir o mundo, [98] ou Estados Unidos [99]. Ele é, aparentemente, ajudado pelo Fórum Econômico Mundial, o Clube de Roma, o Instituto Aspen, a Sociedade Fabiana e a China comunista! ele é, no entanto, a oposição de ninguém menos que o Dalai Lama [100], Christopher Monckton ama isto. [101]
  • Esquema de NOM (Nova Ordem Mundial): É uma tentativa de cientistas, políticos e ambientalistas para dominar o mundo. De acordo com William M. Gray, que deseja encontrar "uma causa política que lhes permita organizar, propagandear, forçar conformidade e exercer influência política". "Aparentemente, Al Gore tem algo a ver com isso". [102] Muahahaha!
  • Esquema de Jacques Chirac: É uma tentativa secreta feita pelo ex-presidente francês Jacques Chirac e pelo Grupo Bilderberg para usar os Acordos de Kyoto para dominar o mundo. [103]
  • Esquema de financiamento da ciência climática: É tudo uma farsa inventada por cientistas do clima todo o mundo para obter financiamento [104] Os cientistas "maus" conseguiram enganar a ONU, a União Europeia, e todo o mundo [105][105][105]. Este ângulo é também bastante irônico, considerando que uma palestra em um think tank negacionista pode facilmente ser melhor financiada do que um posto atual como professor de climatologia.
  • Esquema de energia verde: Todos os cientistas do clima, obviamente, possuem ações de empresas de energia verde e renovável e eles estão empurrando a teoria para inflar seus fundos de aposentadoria e as empresas de energia verde vão sair ganhando. Não. [106]
  • Sistema anti-África: É um plano maléfico desses ambientalistas desagradáveis ​​que querem evitar o desenvolvimento da África de uma economia de carbono. Como alternativa, é uma trama por ambientalistas quererem promover uma economia de carbono na África, enquanto prejudicam a produção industrial dos EUA. [107] Duas "teorias" pelo preço de uma!
  • Sistema anti-globalista: Este sugere que ele é associado com o movimento anti-globalização e é uma tentativa de paralisar a economia mundial [108]. Mas como alguém pode aceitar os tratados internacionais, enquanto opõe-se a globalização? isto nunca foi explicado.
  • Regime pró-nuclear: De acordo com essa "teoria", é tudo sobre uma tentativa de Margaret Thatcher, e, presumivelmente, seus sucessores, para fazer as pessoas do mundo não aceitarem a produção de CO2 e de energia nuclear [109]. Não está exatamente claro o que será a fase 2, mas a fase 3 parece ser o "lucro". Isto foi promovido no filme A Grande Fraude do Aquecimento Global. Como fica claro que as fontes de energia "politicamente corretas" renováveis, como a eólica e a solar, em terra, são incapazes de atender às necessidades da civilização, esperando isto para ser pronunciado mais frequentemente pelos adversários da indústria do combustível fóssil. É digno de nota que a indústria nuclear do Reino Unido tem sido entregue à francesa!
  • Regime Socialista: Esta teoria afirma que um imposto sobre as emissões de carbono (como proposto novamente por Al Gore, OMG!) permitiria que o governo dos Estados Unidos ganhasse influência substancial sobre a indústria (que, depois da maneira como eles conseguiram facilitar uma recessão global, não seria uma coisa ruim, se a recessão não fosse causada principalmente por problemas no mercado imobiliário, é claro). [110] Exatamente por isso que Al Gore se beneficiaria com o governo dos EUA controlaria as corporações! apesar dessa conclusão não ser clara. Além disso, com todo o investimento que o governo está atualmente sendo forçado a fazer na indústria, ele pode acabar controlando um monte de empresas, tendo um imposto sobre o carbono ou não.
  • Regime Comunista: Suportado por, entre outros, Frederick Seitz e Eric S. Raymond, esta alegação é que o aquecimento global era uma trama Soviética que tinha o objetivo de minar o capitalismo [111]. Termos como "arma memética" [112] e "operações psicológicas da KGB que sobraram" foram jogados ao redor, tornando esta uma das abordagens mais tolas.
  • Eugenia e/ou o esquema de despovoamento: Este tipo de teoria da conspiração afirma que o aquecimento global é uma fachada para a implementação de um programa de eugenia em todo o mundo ou um esquema para despovoar o planeta e matar os [113] [114] cidadãos com nozes verdes e duras (Pentti Linkola é um eterno favorito), e muitas vezes vêm a calhar para "provar" isso. Uma alegação particularmente divertida que é pouco conhecida variante dessa teoria da conspiração postula que o plano de despovoamento foi iniciado pela antropóloga Margaret Mead em uma conferência de 1975 sobre superpopulação. [115] Esta teoria é mais popular nos círculos conspiracionistas pró-vida, devido à sua ligação com a questão do aborto e isso também contribui para uma boa conspiração maluca devido à política do filho único da China, e você não quer acabar como os vermelhos sujos agora, não é?

A Real Conspiração

Há, na verdade, uma conspiração em torno das alterações climáticas, e não é o que você vai ouvir da maioria dos teóricos da conspiração: entre 2003 e 2010, mais de 7 bilhões de dólares foram dados pelos bilionários conservadores para financiar organizações Negacionistas do Aquecimento Global como a Heritage Foundation, a Heartland Institute, e o Competitive Enterprise Institute. [116] Siga o dinheiro, na verdade.

Há muitos interesses instalados que se beneficiam da infra-estrutura energética atual de nossa civilização moderna. Comumente, são mencionados os "vilões" da companhias petrolíferas (assim como os políticos cúmplices deles que fazem lobby), que ficariam a perder uma grande quantidade de dinheiro se fossem tomadas medidas para reduzir a quantidade de dióxido de carbono despejado na atmosfera, pois isso implicaria uma redução o uso de combustíveis fósseis, como o petróleo. Contudo, os consumidores estão "na outra metade" do mesmo problema e (por exemplo) os motoristas dos EUA têm sido muito resistentes a um aumento dos impostos sobre a gasolina.

A Exxon (mais tarde chamada de ExxonMobil) sabe, desde pelo menos 1977, que o aquecimento global a partir de combustíveis fósseis poderia ser um problema. Em 1981, a Exxon foi "já fatorou as alterações climáticas nas decisões sobre uma nova extração de combustíveis fósseis". Em 1995, houve um relatório interno da Exxon que inequivocamente afirmou que "'produtos [com o objetivo de] difamar as empresas' estava causando [a ideia de] alterações climáticas, e que a ciência relevante 'está bem estabelecida e não poderia ser negada." [117] [118]

Consequentemente, os interesses corporativos gastaram uma grande quantidade de dinheiro [119] [120], em um esforço para desacreditar a ciência por trás do aquecimento global provocado pelo homem, e incentivou a negação do aquecimento global. [121] A ExxonMobil tem sido um dos motores principais e os relatórios da Greenpeace afirmaram:

"A campanha da ExxonMobil para financiar "think tanks" e organizações que espalham desinformação sobre a ciência e as políticas do aquecimento global é agora amplamente conhecida. A campanha multimilionária da empresa tem, sem dúvida, contribuido para a confusão do público e inação do governo sobre o aquecimento global ao longo da última década". [122]

Greenpeace ainda está monitorando as tentativas da ExxonMobil para distorcer a opinião pública nesta área, como pode ser visto na exxonsecrets, site dedicado a expor as atividades da empresa.

A campanha de desinformação é semelhante à que foi iniciada pelas empresas de tabaco que desejavam convencer as pessoas de que os cigarros eram saudáveis, [123] e as campanhas realizadas pelas companhias petrolíferas quando elas queriam continuar a adicionar chumbo na gasolina. Na verdade, a semelhança entre não só as técnicas utilizadas pelos negacionistas para defender o tabagismo quanto a alegação que a chuva ácida e o aquecimento global são naturais / não um enorme problema / muito caro para consertar, mas também a sobreposição e a interligação no elenco do Experts for hire destruiu o argumento central do livro Merchants of Doubt. [124]

E esse tal de ozônio?

O público se confunde entre a destruição da camada de ozônio e o aquecimento global - mas ambos envolvem alguns gases que, de alguma forma influenciam a dinâmica já arcanos da atmosfera, e ambos estão associados com consequências terríveis se não mudarmos nosso estilo de vida confortável. Há uma ligeira ligação: O ozônio (O3) mata o CFC como gases de estufa, mas numa escala menor do que a habitual suspeita do dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4), [125] [126] [127]

No entanto, eles são questões largamente distintas: a destruição da camada de ozônio significa que todos nós morremos, porque a camada de ozônio desaparece e a superfície da Terra é bombardeada com radiação solar ultravioleta, e o aquecimento global significa que estamos diante de dificuldades incríveis, porque as temperaturas em elevação da terra muito rapidamente para os ecossistemas adaptarem-se e toda a biosfera entrou em colapso.

Conclusão

Então, nós podemos fazer isso de duas maneiras: admitir tomar as medidas necessárias agora para mitigar o dano esperado para a civilização humana, ou esperar mais algumas décadas debatendo o óbvio enquanto milhões - potencialmente, bilhões - de pessoas morrem ao nosso redor.

Negacionistas notáveis

  • Ex-primeiro-ministro australiano Tony Abbott
  • Buzz Aldrin
  • American Government: Institutions and Policies (um livro muito criticado por sua postura sobre o aquecimento global)
  • Tim Ball
  • Mike Bara
  • E. Calvin Beisner
  • cfact.org
  • Competitive Enterprise Institute
  • Anyone taking Ethical Oil seriously
  • Family Research Council (não me diga...)
  • Freeman Dyson
  • Michael Crichton
  • Nigel Farage
  • Heartland Institute
  • Ex-primeiro-ministro australiano John Howard
  • David Icke
  • Senador James Inhofe (E muitos outros no congresso americano [6])
  • International Climate Science Coalition
  • Alex Jones
  • Richard Lindzen
  • Ross McKitrick
  • Steve McIntyre
  • Patrick Michaels
  • Steve Milloy
  • Christopher Monckton
  • Marc Morano
  • Lubos Motl
  • Ex-secretário do desenvolvimento britânico Owen Paterson [128]
  • Ron Paul
  • Ian Plimer
  • Eric S. Raymond
  • Salem Radio Network
  • Frederick Seitz
  • S. Fred Singer
  • Roy Spencer
  • Philip Stott
  • Donald Trump [129]
  • Alan Watt
  • Anthony Watts

Links Externos (em inglês)

Links Externos (em português)*

Referências

  1. Missionary from Toronto winning converts — on climate change, University of Toronto
  2. Black carbon ranks as second-biggest human cause of global warming, Washington Post
  3. The Greenhouse Effect, UC San Diego
  4. What are greenhouse gases?, NOAA Climactic Data Center
  5. Greenhouse effect: In the laboratory, Science Museum London
  6. Greenhouse Gases, Climate Change, and Energy, Energy Information Administration
  7. Global warming, Encyclopedia of Earth
  8. Summary for Policymakers, IPCC Fourth Assessment Report (Working Group I: The Physical Science Basis)
  9. Temperature Variations in Past Centuries and the so-called "Hockey Stick", RealClimate
  10. NRC Exonerates "Hockey Stick" Graph, Ending "Mann-Hunt" by Two Canadian Skeptics, DeSmog Blog
  11. The debate's over: Globe is warming, USA Today
  12. There's no question that the Earth is getting hotter — and fast. The real questions are: How much of the warming is our fault, and are we willing to slow the meltdown by curbing our insatiable appetite for fossil fuels?, National Geographic
  13. How are humans responsible for global warming?, Environmental Defense Fund
  14. Water vapour is not the dominant greenhouse gas, Stoat
  15. Limiting Global Warming to 2°C: Can Europe and the United States Keep the Climate Window Open?, German Marshall Fund
  16. The climate challenge: Achieving zero emissions, OECD
  17. Para uma análise mais completa, consulte sobre o consenso científico na Wikipedia.
  18. Pentagon to rank global warming as a destabilizing force, Center for a New American Security
  19. The Pentagon Wants to Tackle Climate Change — But Congress Forbids It, io9
  20. Space Colonization, NASA HQ Library
  21. Monbiot, George. Heat: How to to Stop the Planet from Burning, P. 40.
  22. "The Global Warming Myth?", John Stossel
  23. IPCC model global warming projections have done much better than you think, Skeptical Science
  24. New argument from climate change deniers: global warming is a good thing, The Guardian
  25. Watch a Supercut of Republicans Using China as an Excuse to Do Nothing About Climate Change, Mother Jones
  26. Talvez não seja relevante aqui, mas aqui uma lista de idiotices razões feitas pelo Sir Humphrey Appleby que me fez pensar a respeito.
  27. Veja aqui uma lista completa de alegações contraditórias.
  28. Willerslev, Eske et al. Ancient Biomolecules from Deep Ice Cores Reveal a Forested Southern Greenland, Science. 6 July 2007: Vol. 317. no. 5834, pp. 111-4.
  29. Greenland ice yields hope on climate, The Boston Globe
  30. Greenland's ancient forests shed light on stability of ice sheet, Natural Environment Research Council
  31. Climate myths: Human CO2 emissions are too tiny to matter, New Scientist
  32. Anti-Environmental Activist Denies Rising CO2 Levels, Insists 'Trees Give Off Carbon Dioxide' Right Wing Watch
  33. http://zeenews.india.com/news/eco-news/study-confirms-global-warming-not-driven-by-natural-forces_1851490.html
  34. American Chemical Society It’s Water Vapor, Not the CO2
  35. Explaining how the water vapor greenhouse effect works, Skeptical Science
  36. Species multiply as Earth heats up: Biodiversity increases with gentle warming, Nature
  37. Correlation of global temperature with solar activity "While it appears that the measured solar cycle length tracks the temperature better than the CO2 concentration for the twentieth century up to 1970, this presented data remains quite controversial. When you look at the climate models that seek to show the human influence past 1970, you do see a good correlation of the temperature with the projected CO2 influence included, while the correlation with solar cycle length weakens."
  38. There IS a problem with global warming... it stopped in 1998"
  39. What has global warming done since 1998?, Skeptical Science
  40. NASA Research Finds 2010 Tied for Warmest Year on Record, NASA
  41. 41,0 41,1 Selected statements from the IPCC Fourth Assessment Report, Potsdam Institute for Climate Impact Research
  42. Oreskes, Naomi. The Scientific Consensus on Climate Change, Science. 3 December 2004: Vol. 306. no. 5702 p. 1686.
  43. What does Naomi Oreskes' study on consensus show?, Skeptical Science
  44. National Reviewcolumn
  45. Influence of persistent wind scour on the surface mass balance of Antarctica
  46. Tecnicamente falando, estamos ainda em uma, como ainda temos calotas polares permanentes, por agora, mas não para o tipo da idade do gelo, onde a maior parte do mundo era como o Alasca.
  47. From NOVA, "Are vapor trails from air traffic influencing the climate?"
  48. http://www.iflscience.com/health-and-medicine/inoculating-against-science-denial
  49. http://www.theguardian.com/environment/climate-consensus-97-per-cent/2015/apr/21/university-offering-free-online-course-to-demolish-climate-denial
  50. Lobbyist Dick Armey’s Pollution Gospel: ‘As An Article Of Faith,’ It Is ‘Pretentious’ To Believe In Global Warming, ThinkProgress
  51. [1] or [2] (Ou você pode tentar a Nature ou a Science).
  52. Global-Warming Payola? The New York Times
  53. The Disinformation Cycle, Deltoid
  54. The Carbon Dioxide Greenhouse Effect, from The Discovery of Global Warming by Spencer Weart, American Institute of Physics
  55. Wingnut Dictionary - CAGW
  56. The consequences of climate change (in our lifetimes)
  57. Word Spy, sobre o termo "aquecimentista".
  58. Um exemplo: "The Warmist Cult" do American Stinker (Observe também brilhante uso do artigo do Climategate, o boato Soros-Hansen, e a teoria da conspiração de Strong Maurice)
  59. Between Science and a Hard Place: The Intellectual Incoherence of Lukewarmism Part I, Part II, The Idiot Tracker
  60. "Sarah Palin on the politicization of the Copenhagen climate conference" (pegue uma garrafa de vinho).
  61. Remember when the GOP believed in climate change?, Vox (Sim, é isso que Newt Gingrich diz sobre Nancy Pelosi. Nós não acreditamos nele também).
  62. "Don’t Wreck the Economy in the Name of the Environment, Says Bob Barr"
  63. Obama's Anticlimactic Climate Plan, Bloomberg
  64. Possivelmente, a Lei de Pommer; possivelmente favorecer os interesses corporativos de doações, mas mais ainda para a base de eleitores e ativistas primários do Partido Republicano que ainda tendem a negar a ciência do clima.
  65. Global Warming Concerns Grow e On Climate, Republicans and Democrats Are From Different Continents, The New York Times
  66. Arquivo de cópia, pelo Wayback Machine
  67. Seu website
  68. http://www.greenpeace.org/international/campaigns/climate-change/impacts/sea_level_rise
  69. http://www.rms.com/publications/OECD_Cities_Coastal_Flooding.pdf
  70. UK met Office Climate change, Arquivo de cópia pelo Wayback Machine
  71. Climate Change and Environmental Risk Atlas, Maplecroft
  72. Arquivo de cópia, pelo Wayback Machine
  73. Andrew K. Githeko et al. Climate change and vector-borne diseases: a regional analysis. Bulletin of the World Health Organization, 2000, 78 (9)
  74. Zoe Corbyn. Global Warming Wilts Malaria. Nature News, Dec. 21 2011.
  75. http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2006/05/04/AR2006050401931.html
  76. http://www.msnbc.msn.com/id/17861866
  77. One Gigantic Wild Card In Global Warming, ABC
  78. http://www.atmos.umd.edu/~zeng/papers/Zeng09_DesertExpansion.pdf
  79. Glaciers melting faster
  80. Water shortage from Global Warming
  81. Background to the dispute over Hans Island
  82. Free Hans Island Parody Site
  83. Radio Free Hans Island Parody Site
  84. Peter D. Ward. Under a Green Sky (2007) [3]
  85. Unusual number of grizzly and hybrid bears spotted in High Arctic, Yale University
  86. Climate change makes waking up to smell the coffee more expensive, NASA
  87. Tea industry's future depends on corporate collaboration, BBC
  88. Climate Change Could Melt Chocolate Production, Scientific American
  89. 21st Century US 'dustbowl' risk assessed
  90. Climate Change & Agriculture
  91. Bernanke's blog
  92. Global Warming: Pascal's Wager, Henry Thornton
  93. The Global Warming Wager, Bloomberg Businessweek
  94. Outra questão é que a abstenção da aposta de Pascal põe em risco apenas a si mesmo, enquanto a abstenção da luta para evitar o aquecimento global põe em risco a todos.
  95. Timeline - Discovery of Global Warming
  96. [4]
  97. Towards a genealogy of climate conspiracy theories, International Journal of Inactivism
  98. Mas a ONU não já têm coletivamente todo o mundo, ou a maior parte dele? Quero dizer, os países membros se estendem por quase toda a terra. Eu posso entender tanto sobre assumir um país quanto em interferir nas políticas daquele país, mas o mundo como um todo é majoritariamente controlado pela ONU, desde praticamente após a Segunda Guerra Mundial.
  99. http://www.biblebelievers.org.au/strong.htm
  100. http://www.worldnetdaily.com/news/article.asp?ARTICLE_ID=23642
  101. http://www.youtube.com/watch?v=PMe5dOgbu40
  102. http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2006/05/23/AR2006052301305_pf.html
  103. http://epw.senate.gov/speechitem.cfm?party=rep&id=263759
  104. Talvez seja porque as pessoas que vêm com esta teoria da conspiração negam o financiamento para cientistas.
  105. 105,0 105,1 105,2 http://www.dailymail.co.uk/pages/live/articles/technology/technology.html?in_article_id=440049&in_page_id=1965&in_page_id=1965&expand=true
  106. http://arstechnica.com/science/news/2011/02/if-climate-scientists-push-the-consensus-its-not-for-the-money.ars
  107. http://www.nationalcenter.org/P21NVPeterson401.html
  108. Melanie Phillips!
  109. http://findarticles.com/p/articles/mi_qa3724/is_200703/ai_n18705944
  110. http://www.prisonplanet.com/global-warming-or-global-governance.html
  111. Naomi Oreskes and Erik M. Conway. Challenging Knowledge: How Climate Science Became a Victim of the Cold War. In Agnotology: The Cultural Production of Ignorance, edited by Robert Proctor and Londa Schiebinger, Stanford University Press.
  112. Outra maluquice que encontramos em sites conservadores, "arma memética" é mais conhecida como "publicidade"...
  113. The Link Between Eugenics and Global Warming Hype, New American
  114. If humans are a virus, then what is the end game? Info Wars
  115. Margaret Mead's Bashers Owe Her an Apology, John Horgan
  116. http://www.theguardian.com/environment/2013/dec/20/conservative-groups-1bn-against-climate-change
  117. The Climate Deception Dossiers (July 9, 2015 update) Union of Concerned Scientists
  118. Deception Dossiers: All Documents Union of Concerned Scientists
  119. Global Warming Skeptics: A Primer, Environmental Defense Fund
  120. The Guardian: Secretive donors gave US climate denial groups $125m over three years
  121. Al Gore and the Attack of the Global Warming Cranks, ScienceBlogs
  122. ExxonMobil’s Continued Funding of Global Warming Denial Industry, Greenpeace
  123. Smoke Signals, Grist
  124. Entre os vovôs que se mantiveram aparecendo, eram S. Fred Singer e o falecido Frederick Seitz. Veja Naomi Oreskes e Erik M. Conway. Merchants of Doubt. Bloomsbury Press, 2011. ISBN 1-608-19394-2
  125. CDIAC list of greenhouse gases
  126. Lista do IPCC de gases de efeito estufa
  127. Impacts of water, carbon dioxide, methane and ozone on the overall greenhouse effect, veja também [5] para um sumário
  128. UK Secretary of State for the Environment reveals his depth of knowledge of climate change, Skeptical Science
  129. https://twitter.com/realdonaldtrump/status/418542137899491328
*NOTA: Edição brasileira, não disponível no texto original em inglês