FANDOM


Direitos Reservados ao Iron Chariots, Link original aqui.

O argumento ontológico foi originalmente escrito por um monge beneditino chamado Anselmo, o Arcebispo de Canterbury, em seu livro Proslogion em 1078. Ontologia é o ramo da metafísica que lida com a natureza do ser e da existência. O argumento baseia-se na maior ideia, Deus, que deve existir porque é maior existindo do que não existindo.

Mesmo contemporâneos de Anselmo reconheceram suas falhas; outro monge, Guanilo de Marmoutiers, é lembrado por usar o raciocínio de Anselmo para "provar" que a ilha perfeita existe em nome de um Louco.

Há um argumento ontológico, menos conhecido, por Descartes.

Argumento

O argumento ontológico clássico para a existência de Deus é o seguinte:

  1. Eu tenho uma ideia de Deus como o maior ser concebível.
  2. Um ser pode existir apenas como uma ideia ou como uma ideia e na realidade.
  3. É maior existindo na realidade, muito mais do que apenas como uma ideia.
  4. Se eu pensar deste maior concebível ser como existente apenas como

uma ideia, então eu posso pensar em um ser maior, ou seja, um ser que existe na realidade também.

  1. Este maior ser concebível deve existir na realidade também, ou seja, Deus existe.

Contra-Argumentos

Nesse argumento, a existência é dada como um dos atributos de Deus como parte da definição: se X é Deus, então X tem a propriedade de existência. Isto é logicamente equivalente a "se X não existe, então X não é Deus." Isso não prova que há quaisquer entidades que, na verdade, correspondem à definição.

Existência não é um atributo ou predicado

Existência quase nunca pode ser considerada um atributo, assim como algo inexistente não poder ter atributos. [1] Portanto, fazer conclusões sobre a existência de uma entidade com base em suas propriedades não é logicamente sólido. Em suma, este argumento se resume a "mostre-me um deus, e eu vou lhe mostrar um deus existente". É uma forma de raciocínio circular porque a existência é construída nas suposições.

Aqui estão alguns exemplos desta prova que destacam a falácia.

Unicórnios:

  1. Vamos definir um unicórnio como um ser equino mágico que tem um chifre, e que existe.
  2. Por essa definição, tal ser deve necessariamente existir.
  3. Portanto existem unicórnios.

Shangri-La:

  1. Shangri-La é o melhor lugar do mundo.
  2. Um lugar que existe é maior do que um que não.
  3. Portanto, Shangri-La existe.

Hércules:

  1. Hércules foi o maior guerreiro da história.
  2. Um guerreiro que exista é maior do que aquele que não existe.
  3. Portanto, Hércules existiu.

Qual Deus?

Nenhum Deus ou religião específica é suportada pelo argumento.

O argumento suporta o panteísmo melhor do que o monoteísmo:

  1. Um ser contém todas as partes de um outro, mais uma parte extra é o maior ser.
  2. Não existe qualquer parte pode que não seja uma parte do maior ser possível.
  3. Portanto, o maior ser possível abrange todo o universo - daí o panteísmo.
  4. Se 1 é falso, não há nenhuma razão para acreditar que o maior ser possível engloba qualquer coisa - o maior ser possível é indistinguível de nada.
  5. Se 1 é falso e 4 é falso porque o maior ser possível é o que abrange todas as coisas intrinsecamente positivas e há coisas intrinsecamente negativas, em seguida, "um ser que existe é maior do que aquele que não" não é verdade, a menos que a existência seja intrinsecamente boa.

Apelo a Consequência

O argumento também contém um erro inverso. A segunda premissa equivale a "Se uma coisa existe, então ela tem grandeza", enquanto a conclusão assume o inverso: "Se uma coisa (Deus) tem grandeza então ele existe"

Non sequitur

Outro problema com a versão clássica do argumento é que ele é inválido. Assim, mesmo que as premissas sejam verdadeiras, a conclusão não é garantida como verdade. A quarta premissa é suposta para mostrar que existe uma contradição em supor o maior concebível ser que meramente exista como uma ideia. Isto, no máximo, iria mostrar que quando se pensa nisto sendo um teria que supõe esse ser existe. Assim, mesmo se não houver outros problemas com o argumento, isso só prova que eu devo pensar em um Deus existente; isso não prova que existe um ser realmente lá fora que se encaixa com a minha ideia.

A prova de Douglas Gasking

Uma paródia do argumento para a não-existência de Deus é a seguinte: [2]

  1. A criação do universo é a maior conquista que se possa imaginar.
  2. O mérito de uma conquista consiste a sua grandeza intrínseca e a capacidade de seu criador.
  3. Quanto maior a desvantagem para o criador, maior será a realização (você estaria mais impressionado com a pintura de uma paisagem bonita ou a de um anão cego e manco?)
  4. A maior desvantagem para um criador seria a não-existência
  5. Portanto, se supusermos que o universo é a criação de um criador existente, podemos conceber um ser maior - ou seja, aquele que criou tudo, enquanto não existente.
  6. Portanto, Deus não existe.

Pressupostos de que a existência é maior do que a não-existência

Parte do princípio de que a existência e a não-existência possam realmente ser propriedades de algo, sendo que não há nenhuma justificação lógica para a existência sendo maior do que a não-existência.

Prova pela lógica

O argumento define efetivamente Deus em existência sem considerar a evidência factual.

Usando Menções Erradas

O conceito de Deus é equiparado com o maior ser concebível. Isso confunde duas questões distintas: "Se comparado com todos os outros objetos, o maior é Deus" e "a maior coisa é arbitrariamente rotulada de Deus". Claro, pode-se argumentar que o "maior objeto" deve necessariamente existir. No entanto, o argumento muda o uso da palavra "Deus" para a definição anterior. Por conseguinte, o argumento comete o erro no uso da menção. [3]

Argumentos Variantes

Argumento Ontológico Modal

Esta é uma versão do argumento defendida por apologistas como Alvin Plantinga. As premissas são as seguintes:

P(1): É possível que Deus exista.

P(2): Se é possível que Deus exista, então Deus existe em alguns mundos possíveis.

P(3): Se Deus existe, em alguns mundos possíveis, então Deus existe em todos os mundos possíveis.

P(4): Se Deus existe em todos os mundos possíveis, então Deus existe no mundo real.

P(5): Se Deus existe no mundo real, então Deus existe.

C(1): Portanto, Deus existe.

Contra-argumentos

O Argumento Ontológico Modal é um argumento dedutivo, o que significa que, para negar a conclusão do argumento deve-se mostrar a forma de o argumento como inválido, que pelo menos uma das premissas são falsas, ou que o argumento comete alguma outra falácia.

Como uma forma de mostrar o argumento contém uma falácia, pode-se substituir algo como um unicórnio necessariamente existente para o argumento em vez de Deus.

P(1): É possível que um Unicórnio existente necessariamente exista.

P(2): Se é possível que um unicórnio necessariamente existente existe, então um unicórnio necessariamente existente existe em alguns mundos possíveis.

P(3): Se um unicórnio necessariamente existente existe em alguns mundos possíveis, então um unicórnio necessariamente existente existe em todos os mundos possíveis.

P(4): Se um unicórnio necessariamente existente existe em todos os mundos possíveis, então um unicórnio necessariamente existente existe no mundo real.

P(5): Se um unicórnio necessariamente existente existe no mundo real, então existe um unicórnio necessariamente existente.

C(1): Portanto, existe um unicórnio necessariamente existente.

A objeção esperada é que P(1) levanta a questão; ela se constrói na existência necessária para o ser em questão desde o início. A ideia é que P(1) parte do que o argumento modal original faz da mesma forma como a ideia de Deus como um ser necessário. No argumento original, a questão pedida é, talvez, não tão óbvia, mas a necessidade da existência de Deus é o que faz com que P(3) seja supostamente verdadeira.

Outra maneira de desmascarar o argumento poderia ser a de tentar mostrar que P(1) é falsa. Para mostrar que é impossível que Deus exista, você precisa mostrar que as propriedades de Deus são logicamente incoerentes, e, portanto, Deus não existiria em qualquer mundo possível.

Outra maneira de desmascarar o argumento seria de salientar que o argumento baseia-se em equívocos entre as diferentes definições de "possível". A Lógica Modal (que é usada em P(2), P(3), e P(4) ) refere-se a possibilidade conjuntiva, enquanto P(1) refere-se a possibilidades epistêmicas, que não é usada na lógica modal.

Argumento Ontológico Modal Inverso

O Argumento Ontológico Modal depende da inocência da primeira premissa. Pode-se estar inclinado a aceitar que é meramente possível que Deus exista, mas, em seguida, seríamos surpreendidos que você concorde em tudo. Porém, a lógica modal vale para os dois lados. Uma premissa igualmente inocente pode levar à conclusão oposta:

P(1) É possível que Deus não exista, ou seja, há algum mundo possível, onde Deus não existe.

P(2) Deus é definido como um ser necessário, ou seja, existe em todos os mundos possíveis.

P(3) Se há um mundo possível em que Deus não existe, então não há nenhum mundo possível em que Deus existe em todos os mundos possíveis.

P(4) Se não houver nenhum mundo possível em que Deus existe em todos os mundos possíveis, então é impossível que Deus exista.

C(1) É impossível que Deus exista.

P(1) é uma premissa bastante inocente, que Deus pode não existir. P(2) é a definição de Deus emprestada da teísta. P(3) Decorre da lógica modal S5 onde todos os mundos são acessíveis para o outro, por isso, se algo é possível em um mundo, é possível, em todos os mundos. A possibilidade lógica e a necessidade geralmente é pensada como sendo capturado pela lógica modal S5. É também a lógica modal mais simples e mais frequentemente encontrada. O argumento ontológico Modal acima depende de S5 também. P(4) é apenas uma tradução: "No mundo possível" significa "é impossível", e "existe em todos os mundos possíveis" significa "existe", pelo menos de acordo com P(2).

Referências

  1. Stanford Encyclopedia of Philosophy, Argumentos ontológicos, revisado em 15 de julho de 2011
  2. A prova de Douglas Gasking
  3. http://reasonablesoup.blogspot.co.uk/2011/03/anselms-ontological-argument-refutation.html

Links externos

[4] Uma refutação abrangente e mais curta

[5]

[6]

[7]