FANDOM


Direitos Reservados ao Iron Chariots, Link original aqui.

A versão evidencial do problema do mal (também referida como a versão probabilística ou indutiva), procura mostrar que a existência do mal,embora logicamente consistente com a existência de Deus, vai contra ou diminui a probabilidade da verdade do Teísmo. Por exemplo, um crítico da ideia de Plantinga de "um espírito poderoso não-humano" causando males naturais poderia admitir que a existência de tal ser não é logicamente impossível, mas argumentar que, devido à falta de evidências científicas para a sua existência é muito pouco provável e, portanto, é uma explicação convincente para a presença de males naturais.

Variações

Versão por William L. Rowe:

  1. Existem casos de intenso sofrimento que um ser Onipotente e Onisciente poderia ter evitado sem perder assim um bem maior ou permitir algum mal igualmente ruim ou pior.
  2. Um ser onisciente e totalmente bom iria impedir qualquer sofrimento intenso que pudesse acontecer, a não ser que não pudesse fazê-lo sem perder assim um bem maior ou permitir algum mal igualmente ruim ou pior.
  3. (Por isso) não existe um ser onipotente, onisciente, e totalmente bom.

Outra versão, por Paul Draper:

  1. Existem males gratuitos.
  2. A hipótese da indiferença, ou seja, que se existirem seres sobrenaturais, são indiferentes a males gratuitos, é uma melhor explicação para (1) do que o Teísmo.
  3. Portanto, a evidência mostra que nenhum deus, como normalmente entendido por Teístas, existe.

Estes argumentos dão juízos a probabilidade, uma vez que eles estão sobre a alegação de que, mesmo depois de uma cuidadosa reflexão, não pode-se ver nenhuma boa razão para a permissão do mal de Deus. A inferência a partir deste pedido para a declaração geral de que existe mal desnecessário é um raciocínio indutivo da natureza e é esta etapa indutiva que define o argumento de prova para além do argumento lógico.

A possibilidade lógica de motivos ocultos ou desconhecidos para a existência do mal ainda existe. No entanto, a existência de Deus é vista como qualquer hipótese em grande escala ou teoria explicativa que visa fazer o sentido de alguns fatos pertinentes. A medida em que ela não consegue fazê-la não foi confirmada. De acordo com a navalha de Occam, deve-se fazer o mínimo de suposições possíveis. Razões escondidas são suposições, como é o pressuposto de que todos os fatos podem ser observados, ou que fatos e teorias humanas que não discernimos são fatos escondidos. Assim, de acordo com o argumento de Draper, a teoria de que existe um ser onisciente e onipotente que é indiferente não requer razões ocultas para explicar o mal. É, portanto, uma teoria mais simples do que aquela que também exige razões ocultas sobre o mal para incluir a onibenevolência. Da mesma forma, para cada argumento oculto que completa ou parcialmente justifica os males observados, é igualmente provável que haja um argumento escondido que realmente faz os males observados piores do que parecem sem argumentos ocultos. Como tal, de um ponto de vista probabilístico, os argumentos ocultos irão neutralizar uma a outra.

O Autor e Pesquisador Gregory S. Paul oferece o que ele considera ser um particularmente forte problema do mal. Paul descreve cálculos onde mostram pelo menos 100 mil milhões de pessoas nascendo ao longo da história humana (a partir de cerca de 50.000 anos atrás, quando o Homo sapiens apareceu pela primeira vez). Ele então realizou o que ele chama de “cálculos simples” para estimar a taxa de mortalidade histórica de crianças durante todo este tempo. Ele descobriu que a taxa de mortalidade histórica foi superior a 50%, e que as mortes dessas crianças eram, em sua maioria, devido a doenças (como a malária).

Paul vê isso como um problema do mal, porque isso significa que, ao longo da história humana, mais de 50 milhões de pessoas morreram naturalmente antes que elas tivessem idade suficiente para dar o seu consentimento maduro. Ele acrescenta que mais de 300 bilhões de seres humanos podem nunca ter atingido o nascimento, em vez de morrer naturalmente, mas no período pré-natal (a taxa de mortalidade pré-natal sendo cerca de 3/4, historicamente). Paul diz que estes números podem ter implicações para o cálculo da população de um céu (o que pode incluir as 50 milhões de crianças acima referidas, 50 milhões de adultos, e cerca de 300 milhões de fetos - excluindo hoje qualquer ser vivo).

Uma resposta comum para instâncias do problema evidencial é que existem justificativas plausíveis (e não ocultas) para a permissão do mal de Deus. Estas serão discutidas abaixo.

Argumentos Relacionados

Doutrinas sobre o inferno, particularmente aquelas que envolvem o sofrimento eterno, representam uma forma particularmente forte do problema do mal. Se a incredulidade, crenças incorretas, ou o design pobre são considerados males, em seguida, o argumento da descrença, o argumento das revelações incompatíveis, e o argumento do design pobre podem ser vistos como casos particulares do argumento do mal.

Respostas: Defesas e Teodiceias

As respostas ao problema do mal têm sido por vezes classificadas como defesas ou teodiceias. No entanto, os autores discordam sobre as definições exatas. John Hick, por exemplo, propõe uma teodiceia, enquanto Alvin Plantinga formula uma defesa. A ideia de livre-arbítrio humano muitas vezes aparece em ambas as estratégias, mas de maneiras diferentes. Geralmente, uma defesa pode referir-se às tentativas de desarmar o problema lógico do mal, mostrando que não há incompatibilidade lógica entre a existência do mal e da existência de Deus. Esta tarefa não exige a identificação de uma explicação plausível para o mal, e é bem-sucedida se a explicação apresentada mostrar que a existência de Deus e a existência do mal são logicamente compatíveis. Ele não necessita ser realmente verdadeira, uma vez que, embora uma explicação seja coerente, pode ser falsa e suficiente para demonstrar uma compatibilidade lógica.

A teodiceia (podemos referir-nos como a tentativa de "justificar a Deus" - mostrando que a existência de Deus é compatível com a existência do mal), por outro lado, é mais ambiciosa, uma vez que tenta fornecer uma justificação plausível para moralmente existir o mal e, assim, refutar o argumento "evidencial" do mal. Richard Swinburne sustenta que não faz sentido supor que há maiores bens que justifiquem a presença do mal no mundo, a menos que nós saibamos quais deles são, sem conhecimento do que os bens maiores poderiam ser, não se pode ter uma teodiceia bem sucedida. Assim, alguns autores veem argumentos atraentes para demônios ou a queda do homem como logicamente possíveis, mas não muito plausíveis, dado o nosso conhecimento sobre o mundo, e assim veem esses argumentos como o fornecimento de defesas, mas não de boas teodiceias.

Negação de onisciência, onipotência e onibenevolência

Se Deus não tem qualquer uma dessas qualidades, a existência do mal é explicável, e por isso o problema do mal não será encontrado.

No politeísmo, as divindades individuais geralmente não são onipotentes ou onibenevolentes. No entanto, se uma das divindades tem estas propriedades, o problema do mal se aplica. Os sistemas de crenças em que várias divindades são onipotentes levariam a contradições lógicas.

Mais boas respostas

Os paradoxos de onipotência levantam questões quanto à natureza da onipotência de Deus, com algumas soluções a propor que a onipotência não iria requer a capacidade de realizar o impossível logicamente. Mais boas respostas ao problema fazem uso desta visão, argumentando para a existência de bens de grande valor que Deus não pode atualizar sem também permitir o mal, e, portanto, que há males que não podem ser esperados para evitar, apesar dele ser onipotente. Os apelos mais populares a isso é a resposta do livre arbítrio.

Livre-Arbítrio

A resposta do livre-arbítrio afirma que a existência de seres livres é algo de enorme valor, porque com livre-arbítrio vem a capacidade de fazer escolhas moralmente significativas (e, pode-se acrescentar, entrar em relacionamentos amorosos autênticos. O Pastor e Teólogo Gregory Christian A. Boyd afirma que a natureza toda-poderosa de Deus não significa que Deus exerce todo o poder, mas ao invés disso permite que os agentes livres ajam contra seus próprios desejos. Ele argumenta que uma vez que o amor deve ser escolhido, o amor não pode existir sem um verdadeiro livre arbítrio. Ele também sustenta que Deus não planeja o mal na vida das pessoas, mas que o mal é o resultado de uma combinação de escolhas livres de interconectividade e complexidade da vida em um mundo pecaminoso e caído. Com ele vem também o potencial para o abuso, como quando deixamos de agir moralmente. Mas o desvalor criado por tal abuso do livre arbítrio é facilmente compensado pelo grande valor do livre arbítrio e da bondade que vem dele, e assim Deus se justifica na criação de um mundo que oferece a existência do livre-arbítrio, e com ele o potencial para o mal, em um mundo com seres livres nem bons nem maus. Um mundo com seres livres e nenhum mal seria ainda melhor, no entanto, isso exigiria a cooperação de seres livres com Deus, como é logicamente impossível para Deus evitar abusos de liberdade sem cercear assim a liberdade.

Os críticos da resposta do livre arbítrio têm questionado se ele representa o grau de mal visto neste mundo. Um ponto a este respeito é que, enquanto o valor do livre arbítrio possa ser considerado suficiente para contrabalançar males menores, é menos óbvio que supere o desvalor de males como o estupro e o assassinato. Casos particularmente graves, conhecidos como males terríveis, que "constituem, à primeira vista, razão para duvidar se a vida do participante poderia (dada a sua inclusão no mesmo) ser um grande bem para ele/ela em sua totalidade", têm sido o foco de trabalho recente no Problema do mal. Outro ponto é que essas ações de seres livres que provocam o mal, muitas vezes, diminuem a liberdade dos que sofrem do mal - por exemplo, o assassinato de uma criança (por exemplo, morte de Bebê P) pode impedir que a criança nunca exerça o seu livre arbítrio de forma significativa. Dado que, neste caso, coloca a liberdade de uma criança inocente contra a liberdade do malfeitor, não está claro por que Deus não iria intervir para o bem da criança.

Uma segunda crítica é que o potencial para o mal inerente ao livre arbítrio pode ser limitado por meios que não afetam essa vontade. Deus poderia realizar isso através de ações morais especialmente prazerosas, para que eles pudessem ser irresistíveis para nós; ele também poderia punir ações imorais imediatamente, e tornar óbvio que uma retidão moral estivesse em nosso interesse próprio; ou ele poderia permitir que más decisões morais fossem feitas, mas intervisse para evitar que as consequências danosas disso realmente acontecessem. A resposta é que tal "mundo de brinquedo" significaria que o livre-arbítrio não tem menos ou nenhum valor real. C.S. Lewis escreve: "Nós podemos, talvez, conceber um mundo no qual Deus corrigiu os resultados deste abuso do livre arbítrio por suas criaturas em todos os momentos: para que uma viga de madeira tornasse suave como a erva quando foi usada como uma arma, e o ar se recusasse a obedecer-me se eu tentasse usar as ondas sonoras que carregam mentiras ou insultos. Mas tal mundo seria aquele em que ações erradas eram impossíveis, e em que, portanto, a liberdade da vontade seria vazia, ou melhor, se o princípio fosse realizado à sua conclusão lógica, os maus pensamentos seria impossíveis, para a matéria cerebral que usamos no pensamento e recusaria a sua tarefa quando tentássemos enquadrá-los". Os críticos podem responder que esta visão parece implicar que seria errado da mesma forma para os seres humanos tentar reduzir o sofrimento dessas formas, uma posição que poucos defendem. O debate depende das definições de livre-arbítrio e determinismo, que são conceitos profundamente disputados em si mesmos, bem como a sua relação um com o outro.

Uma terceira resposta é que, embora a defesa do livre arbítrio tenha o potencial de explicar o mal moral como descrito, ela não consegue lidar com males naturais, tais como terremotos, furacões e doenças. Os defensores do livre arbítrio podem advertir para uma explicação diferente desses males naturais, ou estender a resposta do livre arbítrio para explicá-los. Como este último exemplo, o famoso Alvin Plantinga sugeriu que os males naturais são causados pelas escolhas livres de seres sobrenaturais, como demônios. Outros argumentaram que os males naturais são o resultado da queda do homem, que corrompeu o mundo perfeito criado por Deus; ou que as leis naturais são um pré-requisito para a existência de seres livres inteligentes, ou ainda que os males naturais nos fornecem um conhecimento do mal que torna nossas escolhas livres mais significativas do que seria de outra maneira, e por isso o nosso livre-arbítrio se torna mais valioso. Richard Swinburne em "Is There a God? " escreve que "a operação de leis naturais que produzem males dá conhecimento aos seres humanos (se optarmos por buscá-la), de como trazer essas mesmos males. Observando, você pode pegar alguma doença pela operação dos processos naturais, dando o poder para usar aqueles processos ou para dar essa doença para outras pessoas, ou negligenciar que outros possam pegá-lo, ou tomar medidas para evitar que outros contraiam a doença". Desta forma, "ela aumenta o leque da escolha significativa... As ações que o mal natural tornam possíveis são aquelas que nos permitem realizar no nosso melhor e interagir com nossos companheiros a um nível mais profundo". Por fim, foi sugerido que os males naturais são um mecanismo de punição divina para os males que os seres humanos tem cometido, e assim o mal é justificado.

Finalmente, porque a resposta do livre-arbítrio supõe uma ideia libertária do livre-arbítrio, o debate sobre a sua adequação alarga-se naturalmente em um debate sobre a natureza e existência do livre-arbítrio. Compatibilistas negam um ser que está determinado a agir moralmente e carece de livre-arbítrio, e por isso também que Deus não pode garantir o comportamento moral dos seres livres que cria. Deterministas rígidos negam a existência do livre-arbítrio e, portanto, que a existência de livre vontade justifica o mal em nosso mundo. Há também debate a respeito da compatibilidade do livre-arbítrio libertário com a ausência do mal do céu.

Tomada de alma ou Teodiceia de Irineu

O destaque da teodiceia de tomada de alma é a alegação de que o mal e o sofrimento são necessários para o crescimento espiritual. Esta Teodiceia foi desenvolvida pelo Teólogo Cristão do século II, Ireneu de Lião, e seu defensor mais recente e franco foi o influente filósofo da religião, John Hick. A inadequação percebida com a teodiceia é que muitos males parecem não promover tal crescimento, e podem ser positivamente destrutivos ao espírito humano. A segunda questão diz respeito à distribuição dos males sofridos: se fosse verdade que Deus permite que o mal, a fim de facilitar o crescimento espiritual, então nós esperaríamos que o mal se abatesse desproporcionalmente sobre aqueles sem problemas de saúde espiritual. Este não parece ser o caso, como o decadente desfruta de uma vida de luxo que os isolam do mal, ao passo que muitos dos piedosos são pobres e estão bem familiarizados com os males do mundo. Um terceiro problema presente nesta teodiceia é que as qualidades desenvolvidas através da experiência com o mal parecem ser úteis precisamente porque são úteis para superar o mal. Mas se não houvesse nenhum mal, então não parece haver nenhum valor em tais qualidades, e, consequentemente, não haveria necessidade de Deus permitir o mal em primeiro lugar. Contra isto, pode-se afirmar que as qualidades desenvolvidas são intrinsecamente valiosas, mas para essa visão seriam necessárias mais justificações.

Teísmo Cético

Teístas céticos argumentam que, devido ao conhecimento limitado da humanidade, não podemos esperar entender Deus ou o seu plano final. Quando um pai leva uma criança ao médico para uma vacinação regular para prevenir uma doença de infância, é porque o pai cuida e ama aquela criança. A criança, no entanto, não será capaz de apreciar isto. Argumenta-se que, assim como uma criança não pode entender os motivos de seu pai devido às suas limitações cognitivas, assim também são seres humanos incapazes de compreender a vontade de Deus em seu estado físico e terrestre atual. Dado este ponto de vista, a dificuldade ou impossibilidade de encontrar uma explicação plausível para o mal em um mundo criado por Deus deve ser esperada, e por isso o argumento do mal é falho, a menos que possa ser provado que as razões de Deus seriam compreensíveis para nós. A resposta relacionada é que o bem e o mal estão estritamente além da compreensão humana. Desde que os nossos conceitos de bem e mal como inculcados em nós por Deus são destinados apenas para facilitar o comportamento ético em nossas relações com outros seres humanos, não devemos ter nenhuma expectativa de que os nossos conceitos são precisos para além do que é necessário para cumprir esta função e, portanto, não se pode presumir que eles são suficientes para determinar se o que chamamos de mal como realmente mau. Tal visão pode ser independentemente atraente para o Teísta, pois permite uma interpretação agradável de certas passagens bíblicas, como "[...] Que faço a paz e cria o mal;. Eu sou o Senhor, que crio tudo isso".

Um contraponto com o acima exposto é que enquanto estas considerações harmonizam a crença em Deus com a nossa incapacidade de identificar as suas razões para permitir o mal, ainda há uma questão de saber por que não temos uma garantia clara inequívoca de Deus ter boas razões para permitir o mal, o que estaria dentro de nossa capacidade de compreender. Como a discussão do problema do mal em tons discussão sobre o argumento da descrença.

Eric Wielenberg argumentou que o teísta que adota o Teísmo Cético como uma resposta para o problema evidencial do mal deve, por uma questão de coerência, admitir que ele também não está em posição para colocar probabilidades sobre o valor de verdade de qualquer proposição que tenha justificação bíblica por si só. Isso ocorre porque o Teísta não está em uma posição para colocar probabilidades sobre se Deus tem uma justificação "além de nossa compreensão" mentindo para eles qualquer proposição que tem apenas justificação bíblica.

Negação da existência do mal

Mal como a ausência do bem

O Teólogo do século Quinto Agostinho de Hipona sustentou que o mal existe somente como uma privação ou ausência do bem. A ignorância é um mal, mas é apenas a ausência de conhecimento, o que é bom; doença é a ausência de saúde; a insensibilidade é a ausência da compaixão. Pois o mal não tem realidade positiva de si próprio, não pode ser causado ​​a existir, e assim Deus não pode ser responsabilizado por fazer com que ele exista. Em sua forma mais forte, essa visão pode identificar o mal como uma ausência de Deus, que é a única fonte do que é bom.

Uma visão relacionada, que se baseia na noção taoísta do yin-yang, permite que tanto o bem quanto o mal tenham uma realidade positiva, mas sustenta que eles são opostos e complementares, onde a existência de cada um depende da existência do outro. Compaixão, uma virtude preciosa, só pode existir se houver sofrimento; bravura só existe se, por vezes, enfrentar o perigo; auto-sacrifício é chamado apenas assim para onde os outros estão em necessidade. Isso às vezes é chamado de “argumento de contraste”.

Talvez a crítica mais importante deste ponto de vista é que, mesmo admitindo o seu sucesso contra o argumento do mal, ela não faz nada para minar um “argumento da ausência de bondade”, que pode ser empurrada, em vez disso, e por isso a resposta é apenas superficialmente bem sucedida.

Mal como ilusório

É possível sustentar que os males, como o sofrimento e a doença, são meras ilusões, e que estamos enganados sobre a existência do mal. Esta abordagem é favorecida por algumas filosofias religiosas orientais como o hinduísmo e o Budismo, e pela seita denominada Ciência Cristã. É mais plausível quando se considera o nosso conhecimento dos males que estão geograficamente ou temporalmente distantes, para estes, não pode ser real depois de tudo. No entanto, ao considerar nossas próprias sensações de dor e angústia mental, não parece haver uma diferença na apreensão que são afligidos por essas sensações e sofrimento sob sua influência. Se for esse o caso, parece que nem todos os males podem ser descartados como ilusórios.

Virando o jogo

"Mal" sugere uma lei ética

Uma abordagem diferente para o problema do mal é virar o jogo, sugerindo que qualquer argumento do mal é auto-refutável, e que para sua conclusão seria necessário a falsidade de uma de suas premissas. Uma resposta, então, é salientar que a afirmação "o mal existe" implica um padrão ético contra o qual valor moral é determinado, e, em seguida, argumentar que esta norma implica a existência de Deus (veja sobre o Argumento Moral).

C. S. Lewis escreve:

“Meu argumento contra Deus era que o universo parecia muito cruel e injusto. Mas como eu tinha essa ideia de justo e injusto? Um homem não chama uma linha de torta a menos que tenha alguma ideia de uma linha reta. O eu estava comparando este universo quando eu entendi que ele era injusto? [...] Claro que eu poderia ter dado a minha ideia de justiça, dizendo que não era nada além de uma ideia particular de mim mesmo. Mas se eu fizesse isso, então o meu argumento contra Deus desmoronaria facilmente para o argumento, que dependia de dizer que o mundo era realmente injusto, e não simplesmente que isso não aconteceu para agradar minhas fantasias”.

A crítica padrão dessa visão é que o Argumento do Mal não é necessariamente uma apresentação dos pontos de vista de seu proponente mas, em vez disso, é destinado a mostrar como as premissas do teísta estão inclinadas a acreditar na conclusão que Deus não existe (ou seja, como um reductio da cosmovisão Teísta). Outra é a reformulação do argumento do mal, de modo que esta crítica não se aplica, por exemplo, substituindo o termo "mal" por "sofrimento", ou o que é mais pesado, a situação que os teístas ortodoxos concordariam que são devidamente chamadas de "mal".

Críticas Gerais de defesas e teodiceias

Vários filósofos têm argumentado que, assim como existe um problema do mal para os Teístas que acreditam em um ser onisciente, onipotente e onibenevolente, assim também há um problema do bem para alguém que acredita em um Deus onisciente, onipotente e onimalévolo (ou perfeitamente mal). Como parece que as defesas e Teodiceias ajudam o Teísta a resistir ao problema do mal, elas podem ser invertidas e utilizadas para defender a crença no ser onimalévolo, isso sugere que devemos tirar conclusões semelhantes sobre o sucesso dessas estratégias defensivas. Nesse caso, o Teísta parece enfrentar um dilema: ou aceitar que ambos os conjuntos de respostas são igualmente ruins, e assim o Teísta não terá uma resposta adequada para o problema do mal; ou aceitar que ambos os conjuntos de respostas são igualmente boas, e assim a comprometer-se a existência de um ser onipotente, onisciente e onimalévolo como plausível. Os críticos observaram que as Teodiceias e defesas são muitas vezes dirigidas ao problema lógico do mal. Como tal, elas são destinadas apenas para demonstrar que é possível que o mal possa coexistir com um ser onisciente, onipotente e onibenevolente. Uma vez que o compromisso paralelo relevante é só se isso bem puder coexistir com um ser onisciente, onipotente e onimalévolo, não que isso seja plausível que eles devessem fazê-lo, o Teísta que está respondendo ao problema do mal não precisa ser comprometido a algo ele for propenso a pensar como falso. Esta resposta, no entanto, deixa o problema evidencial do mal intocado.

Outra crítica geral é que, embora uma teodiceia possa harmonizar Deus com a existência do mal, o faz à custa de destruir a moralidade. Isso ocorre porque a maioria das Teodiceias assumem que tudo o que o mal existe porque ele é necessário para um bem maior. Mas se um mal é necessário, porque assegura um bem maior, então parece que nós humanos não temos nenhuma obrigação para evitá-lo, pois ao fazê-lo, nós também evitamos o bem maior para o qual é exigido o mal. Pior ainda, parece que nenhuma ação pode ser racionalizada, como se fosse possível realizá-la, em seguida, pois Deus permitiu isso, e por isso deve ser para o bem maior. A partir desta linha de pensamento, pode-se concluir que, uma vez que estas conclusões violam nossas intuições morais básicas, há uma teodiceia do bem maior verdadeiro, e que Deus não existe. Como alternativa, pode-se salientar que a teodiceia do bem maior nos leva a ver todos os estados possíveis de assuntos como compatíveis com a existência de Deus, e, nesse caso, a noção da bondade de Deus se torna sem sentido.

Links Externos