FANDOM


Direitos Reservados ao Iron Chariots, Link original aqui.

O problema de Objetos não-Deus afirma que, se Deus é um ser maximamente grande, pelo qual nada pode esperar se comparar, então Deus nunca criaria quaisquer objetos não-Deus.

Uso

Este argumento é direcionado principalmente para a concepções Anselmianas de Deus ou a Teologia do Ser Perfeito. Os defensores da Teologia do Ser Perfeito tipicamente afirmam que propriedades imóveis como conhecimento, poder, amor, etc, são propriedades que contribuem para a grandeza. Portanto, se um deus existe e é um ser maximamente grande, ele deve ter o máximo possível de tais propriedades.

O Filósofo Cristão J.P. Moreland escreve:

"Dizer que Deus é perfeito significa que não existe um mundo possível onde ele tenha seus atributos em um maior grau... Deus não é o ser mais amoroso que existe, ele é o ser mais amoroso que poderia existir para que o atributo de ser amoroso de Deus possua tal grau que seja impossível de tê-lo a um grau maior".

Argumentos Anteriores Semelhantes

Baruch Spinoza argumentou algo semelhante no apêndice da parte 1 em seu ‘Ética’:

"Além disso, esta doutrina acaba com a perfeição de Deus: pois, se Deus age para um objeto, ele necessariamente deseja algo que ele não tem certeza, teólogos e metafísicos estabelecem uma distinção entre o objeto de desejo e o objeto de assimilação; ainda. eles confessam que Deus fez todas as coisas para o bem de si mesmo, não por causa da criação. Eles são incapazes de apontar qualquer coisa antes da criação, exceto o próprio Deus, como um objeto para o qual Deus deve agir e, portanto, somos levados a admitir (como eles devem claramente fazer), que Deus não tinha essas coisas cuja realização ele criou meios, e ainda que ele desejava-os".

O Argumento Básico

Considere o conceito "Mundo de Deus", um mundo possível em que Deus nunca realmente criou nada. Se nós presumimos que Deus existe, podemos supor que o Mundo de Deus poderia existir, uma vez que o ato de criar o universo (ou qualquer objeto não-Deus) foi uma escolha que não foi confirmada por necessidade.

Proposição P1: Se o Deus Cristão existe, então o Mundo de Deus é o único melhor mundo possível.

Proposição P2: Se o Mundo de Deus é o único melhor mundo possível, então o Deus Cristão manteria o Mundo de Deus.

Proposição P3: o Mundo de Deus é falso porque o Universo (ou qualquer objeto não-Deus) existe.

Conclusão: Portanto, o Deus Cristão, assim definido, não existe.

Justificando P1

Se Deus existe, ele é um ser ontologicamente perfeito - o que significa que ele tem grandes tomadas de propriedades para seus graus compossíveis máximos e nenhuma dessas propriedades com qualquer grau menor. Um mundo composto com apenas o ser maximamente grande pela eternidade seria um mundo constituído por todas aquelas grandes tomadas de propriedades para seus graus compossíveis máximos e nenhuma dessas propriedades para qualquer grau menor. A menos que haja alguma fonte de bondade única - Bondade esta que existiria fora e totalmente independente de Deus - o Mundo de Deus deve ser o único melhor mundo possível. O Mundo de Deus eternamente sustenta a mais alta pureza ontológica geral e, portanto, a qualidade ontológica global a que nenhum outro mundo pode comparar, portanto, é o único melhor mundo possível.

Justificando P2

Um ser onisciente estaria ciente do fato de que a própria existência sozinha pela eternidade como o Mundo de Deus é o único melhor mundo possível que jamais poderia existir, e porque Deus é essencialmente moralmente perfeito, ele não poderia ter uma razão motivadora para alterar intencionalmente a máxima de global pureza e, por conseguinte, a qualidade do melhor mundo possível original - porque qualquer alteração na pureza global através da introdução de um universo ou qualquer objeto não-Deus, por necessidade, seria uma degradação de pureza geral e, por conseguinte, qualidade geral. Deus não iria introduzir entidades limitadas, cada uma com seu próprio conjunto impressionante de grandes degradados de tomada de propriedades como o mito da criação registrado no Gênesis. Enquanto Adão e Eva claramente têm grandes propriedades (de tomada de conhecimento, poder), eles têm um grau impressionante assim que introduzem tais seres, o que resulta numa degradação da pureza ontológica geral e, portanto,uma degradação da qualidade ontológica geral. Sugerir que Deus está no meio degradante é sugerir que ele não é maximamente grande, em primeiro lugar.

Justificando P3

P3 é o mais fácil dos três de justificar. Ele pode ser justificado apenas por um simples reconhecimento de que você, você mesmo, não é Deus.