FANDOM


Direitos Reservados ao RationalWiki, Link original aqui.

"Se você está na posse desse segredo revolucionário da ciência, por que não prová-lo corretamente e ser saudado como o novo Newton?
Claro, nós sabemos a resposta. Você não pode fazê-lo. Você é um farsante."
- Richard Dawkins, Desvendando o Arco-íris [1]
A Pseudociência descreve qualquer sistema de crença ou metodologia que tenta ganhar legitimidade através do uso das armadilhas da ciência, mas não cumpre a metodologia e os padrões de evidência que são as marcas da verdadeira rigorosamente científicas.

Promotores da pseudociência muitas vezes adotam o vocabulário da ciência, descrevendo conjecturas como hipóteses, teorias ou leis, fornecendo "evidências" de observação e testemunhos de "especialistas", ou mesmo desenvolvendo o que parecem ser modelos matemáticos de suas ideias. No entanto, na pseudociência não há nenhuma tentativa honesta de seguir o método científico, fornecer previsões falseáveis, ou desenvolver experimentos duplamente cegos.

Apesar da pseudociência ser projetada para parecer científica, falta-lhe toda a substância da ciência.

História

Com a ascensão do movimento iluminista e do sucesso das ciências físicas em descrever o mundo natural, uma respeitosa ascensão da ciência foi se desenvolvendo no mundo ocidental. Como resultado, charlatãos em todos os lugares tentaram lucrar com este fenômeno, vendendo uma gama de remédios "cientificamente comprovados", poções, tratamentos e dispositivos para curar os males do homem e trazer paz e bem-estar para todos. O termo "pseudociência" foi desenvolvido em resposta a estes vigaristas. Um dos primeiros usos registrados da palavra "pseudociência" foi em 1844, no Northern Journal of Medicine, em 1387:

Richard Dawkins feliz

um Richard Dawkins feliz

James Randi chateado

um James Randi chateado

"Esse tipo oposto da inovação que se pronuncia o que tem sido reconhecido como um ramo da ciência, têm sido uma pseudociência, composta apenas dos chamados fatos, ligados entre si por equívocos sob o disfarce de princípios."
Até o início do século 20, a ciência havia prorrogado os limites da compreensão humana. Com o desenvolvimento da mecânica quântica e da relatividade, a ciência apresentava a realidade como um lugar estranho, desafiando a capacidade dos povos em compreender a confusão de partículas e altas velocidades que compõem tudo o que pensamos que sabemos. Essas ideias persistiram e provaram-se por causa de sua capacidade de fazer previsões que podem ser verificadas experimentalmente. Contra esse pano de fundo, um dos mais famosos filósofos modernos da ciência, Karl Popper, tentou estabelecer o que separava a verdadeira ciência, de pessoas como Albert Einstein, de conceitos intuitivamente menos rigorosos, como a psicanálise. Popper decidiu que a chave estava na falseabilidade. A verdadeira ciência faz previsões específicas que poderiam ser provadas falsas, examinando a realidade empírica. Pseudociências raramente se preocupavam em fazer previsões, e se elas fizessem, seriam infalsificáveis ou impossíveis de teste.

Depois de Popper, a filosofia entrou na fase do construcionismo social, com os filósofos argumentando que a ciência era uma ilusão. Alguns, como Paul Feyerabend, argumentou que era impossível a ciência e a pseudociência estarem separadas, e, no final, tal separação era indesejável de qualquer maneira.

A realidade da pseudociência e do reconhecimento do seu dano fazia com que fosse, e continuasse sendo, uma ideia unificadora por trás do ceticismo e o trabalho de prática da maioria dos cientistas. Com o surgimento do "Novo Ateísmo" e sua ênfase no pensamento crítico, uma onda de esforço para combater a pseudociência moderna (e, à vezes, não tão modernas) que se desenvolvia. A popularização de desbancar a pseudociência pode ter começado com Harry Houdini, que passou seus últimos dias desmascarando espiritualistas e médiuns. Na segunda metade do século 20, pessoas como James Randi, Carl Sagan e Richard Dawkins publicaram livros e fizeram aparições na televisão abordando esses assuntos. Relativamente, os recém-chegados Ben Goldacre, que escreveu o best-seller Bad Science e Simon Singh, que está atualmente ganhando um processo por difamação depois de desmascarar quiropráticos e suas alegações insuportáveis, têm favorecido a tendência. Enquanto isso, grupos céticos e bases de conhecimento continuam a se expandir na internet e o Skeptics in the Pub mudou de uma pequena reunião em Londres para um evento mundial, muitas vezes atraindo centenas a cada reunião. Todos esses grupos e indivíduos têm ativamente e publicamente lutado contra esotéricos, charlatãos, desonestos intelectuais, criacionistas, e as milhares de outras manifestações da pseudociência.

Porque a Pseudociência existe

"Muitas pessoas querem pensar que entendam a ciência, ou que elas "pensam cientificamente", ou pelo menos, que elas são racionais. Elas provam isto juntando corajosamente grupos no Facebook para pessoas que pretendem amar a ciência. Mas, alegar a amar a ciência sem realmente ter uma compreensão científica é como afirmar que ama escrever sem ser capaz de ler. E número perturbadoramente grande de pessoas acreditam em besteiras precisamente porque elas não têm a compreensão científica." - Maddox, Como saber se você acredita na mentira [2]
Se pseudociência é tão incoerente, por que as pessoas acreditam nelas? Existem algumas explicações.

  • Literatura Científica Pobre: Esta abordagem argumenta que, porque muitas pessoas não entendem a ciência, como ela funciona, ou o que faz com algo que não seja científico, diz-se que as pessoas cientificamente analfabetas são suscetíveis a pseudociência que imita a ciência, que tem toda a autoridade aparente da ciência, mas muito pouco do arcabouço de investigação científica propriamente dita. [3] [4] [5]
  • Viés de confirmação: As pessoas querem acreditar que o que elas acham que seja verdade, seja realmente verdade [6] Além disso, as pessoas querem acreditar em coisas que fazem "sentido", [7] [8] que são reconfortantes, e que se alinham com as suas experiências pessoais, que os empurra para o que eles gostam, e não o que é mais provavelmente verdade. Esta situação é agravada pelo fato de que o cérebro é bom em encontrar preconceitos em outros, mas não em si mesmo. [9]
  • Desinformação Popular: Quando algo é popular, mas errado, que muitas vezes pode tornar-se um "fato" estabelecido apenas através da virtude de ser repetido tantas vezes. Às vezes, essa desinformação é devido a livros de ficção científica popular / fantasia ou com base em velhos conceitos obsoletos ou simplesmente má ciência atual. Outro modo é a "baboseira técnica" temida,, que em teoria é simular como as teorias além da nossa compreensão atual soariam para nós, imitando na sua modernidade como teorias científicas soariam a alguém de 200 a 300 anos atrás, mas, na prática, tende a produzir um jargão científico como, "Inverter a polaridade do fluxo de nêutrons".

Impactos

Veja o artigo principal: Impactos da Ciência

A ciência é muito, muito grande. Mas infelizmente os resíduos do esforço pseudocientífico, que poderiam ter ido para a ciência, desinforma as pessoas sobre a ciência, o que prejudica a capacidade da ciência para fazer grandes coisas. Esta obstrução pode e resultou na morte de centenas de milhares de pessoas.

Características da Pseudociência

Veja o artigo principal sobre este assunto: problema da demarcação

O problema de determinar se algo é ciência ou não é chamado o problema da demarcação. Por que é um problema?

Obviamente, ninguém identifica suas crenças como pseudociência, porque isso implicaria que o que eles acreditavam estava errado; se eles achassem que estavam errados, então eles iriam mudar suas crenças, e evitaria acreditar no que eles acham que é pseudociência. A auto-identificação está fora.

Além disso, muitas proto-ciências se encaixaram em algumas das características da pseudociência antes de se transformar em ciência moderna. Por exemplo, a medicina heróica foi a precursora da medicina moderna, mas muito pouco útil em testes empíricos e tinha ideias quase irrefutáveis. A questão é, quando a medicina estava mudando de heróica para medicina moderna, quando é que se tornou ciência? Onde estava a linha de demarcação?

Muitas tentativas para resolver o problema têm sido propostas, incluindo as premissas do Naturalismo Metodológico, o positivismo lógico, ou o Empirismo completo. Além disso, características como a falseabilidade (e mais, definidas abaixo) são a chave para algo que é considerado como uma ciência.

Alegações

Uso de afirmações vagas e/ou exageradas

"Se alguém viesse a propor que os planetas giram em torno do sol, porque toda a matéria do planeta tem uma espécie de tendência para o movimento, uma espécie de mobilidade, chamemos-lhe de 'glamour', pois esta teoria poderia explicar uma série de outros fenômenos muito bem.
Portanto, esta é uma boa teoria, não é? Não. Está longe de ser tão boa quanto a proposição de que os planetas se movem em torno do sol sob a influência de uma força central que varia exatamente na razão inversa do quadrado da distância do centro.
A segunda teoria é melhor porque é tão específica que, obviamente, seja mais improvável o resultado do acaso. É tão definitiva que o erro despercebido no movimento pode mostrar que está errada; mas os planetas poderiam oscilar em todo o lugar, e, de acordo com a primeira teoria, você poderia dizer, 'Bem, esse é um comportamento engraçado do "glamour" '." - Richard Feynmann [10]
Uma das maneiras mais fáceis de evitar [um problema] de ser provado como falso é a de não fazer quaisquer alegações específicas totalmente. As previsões da ciência são todas sobre a especificidade e a exatidão. As definições operacionais têm de ser claramente definidas e compartilhadas; o que você está medindo, como você vai medir e como você irá determinar se quaisquer resultados são significativos são todas as características da boa ciência. alegações pseudocientíficas muito raramente têm previsões científicas testáveis e ​​específicas, e, em vez disso, confiam na linguagem vaga e ambígua, muitas vezes englobando afirmações grandiosas.
Birth chart

"Um bom dia para comprar mobília" [10]

A astrologia [11] é um dos principais exemplos disso, e suas afirmações vagas permitem que suas "previsões" sejam aplicadas amplamente a muitas pessoas ao mesmo tempo, e sua linguagem inteligente permite que ele esteja muito errado, o que a salva um pouco. Por exemplo, peça a um astrólogo que você nunca conheceu antes para descrever sua personalidade. Ele pode responder: "Você se considera uma pessoa muito altruísta, mas há momentos em que você agiu, em vez disso, de forma egoísta". Pois esta afirmação é verdadeira para praticamente todo mundo.

Na "medicina charlatã alternativa", que promove a pseudociência, pode-se reivindicar que um determinado tratamento "remove as toxinas do seu sistema", não dizendo quais toxinas, ou como elas serão removidas, ou como você pode saber se elas foram removidas. As toxinas são a verdadeira causa da doença, não dizendo como elas causam a doença, e que removê-los vai curá-lo de todas as aflições conhecidas. Nos poucos casos como este, onde as reivindicações são específicas, elas podem ser testadas e muitas vezes se limitam a testemunhos internos. No caso da Kinoki Foot Pads, os fabricantes alegaram que isto removia vários produtos químicos como benzeno e mercúrio (a maioria dos quais não deveriam estar no corpo, de qualquer maneira) e ensaios de laboratório não encontraram nenhum deles nas almofadas.

Em outras áreas da ciência, é popular a alegação de que se tenha descoberto uma "teoria unificadora" que explica toda a realidade através da "energia" e "forças" especiais. Ou que a máquina de motor perpétuo funciona por causa de princípios até então desconhecidos do magnetismo.

Ideias Infalseáveis

468px-Karl Popper

Karl Popper

Veja o artigo principal sobre este tema: Falseabilidade

Como Popper expôs a setenta anos atrás, uma das demarcações primárias entre a verdadeira ciência e a pseudociência é que a pseudociência depende da reivindicação de ideias que não podem ser falsificadas. reivindicações irrefutáveis ​​protegem a pseudociência de críticas, já que não se pode obter "prova" de uma ideia infalseável.

A maneira mais fácil de distinguir o método pseudocientífico do método científico é olhando se há predições testáveis, e ver os experimentos estabelecidos para testar a teoria ou simplesmente para confirmá-la. Resultados aparentemente negativos podem ser aceitos? resultados negativos podem ser retorcidos para caber em uma teoria, de qualquer maneira? Um bom estudo de caso aqui é o caso de Ron Satz, que afirma regularmente que sua Teoria de Tudo explica um determinado resultado - só para ele poder afirmar que a teoria ainda explica tudo, quando o resultado é posto em causa.

Infalseabilidade pode se manifestar de diferentes formas. O sentido mais geral ocorre quando uma ideia proposta e nem mesmo pode estar errada, o que significa que ela não pode ser testada ou nunca poderá ser formulada de tal modo a fazer predições empíricas. Por exemplo, alguns Criacionistas da Terra Jovem afirmam que Deus criou o mundo para parecer velho. Como não há nenhuma diferença entre um mundo que é velho e um que é apenas aparentemente velho, a hipótese não pode ser testada de uma forma científica.

Conceitos e afirmações, por vezes específicos dentro de uma pseudociência podem ser falsificados, tais como a eficácia das medicinas alternativas. Quando isso acontece, a tática usual é a de mudar os critérios para a falsificação - uma estratégia conhecida como "Mover a trave". O design inteligente (DI) é construído quase completamente com esta abordagem, alterando os critérios pelos quais a evolução pode ser refutada cada vez que uma nova pesquisa é realizada. Muitas das reivindicações específicas do Design Inteligente, tais como a complexidade irredutível, podem e foram falsificados quando os caminhos evolutivos naturalistas foram encontrados. Os defensores do DI, em seguida, move a trave para outro recurso de complexidade irredutível, até que é refutado, e assim por diante. No entanto, o conceito geral de que uma entidade sobrenatural projetou a vida na sua forma atual continua a ser uma ideia infalseável. Desde que nada pode provar ou refutar esta "hipótese" que se situa fora do domínio da ciência, e adornando-a com armadilhas científicas, é um exemplo clássico de pseudociência.

Mover a trave também é comum em teologias mais liberais que tentam colocar Deus como o superintendente do mundo natural. Tudo o que não pode ser explicado pela ciência, bem, isso é Deus. E quando a ciência surge com uma explicação, bem, então, passamos a usar Deus para tudo o que ainda não pode ser explicado. Esta mentalidade de Deus das lacunas é geralmente infalseável e, como sabemos, sempre haverão lacunas prontas para ser preenchidas por Deus, mesmo algumas reivindicações específicas que podem ser falseáveis.

Estagnação da Ideia

448px-Hua t08

Acupuntura: "você só vai sentir uma picadinha"

"Na ciência, muitas vezes acontece que os cientistas dizem, "Seu argumento é realmente muito bom, a minha posição está equivocada", e então eles realmente mudam as suas mentes e você nunca ouvirá essa velha opinião deles novamente. Eles realmente fazem-o. Isso não acontece tão frequentemente quanto deveria, porque os cientistas são humanos e a mudança é, por vezes, dolorosa. Mas isso acontece todos os dias. Não me lembro a última vez que algo assim aconteceu na política ou na religião." - Carl Sagan [12]
A pseudociência é abraçada por seus proponentes com um fervor quase religioso. Desde que a ideia nunca pode estar errada, há muito pouco que precisa ser mudado ou que deva ser alterado. Isto é mais apropriadamente visto em pseudociências que estiveram ao longo das gerações, como a homeopatia ou a acupuntura. Nelas é difícil encontrar diferenças significativas entre as ideias básicas propostas a 300 ou 3.000 anos atrás, e as crenças e práticas dos modernos charlatãos.

Isto está em contraste marcante com a ciência real, onde é comum a mudança em poucos séculos e décadas - para não falar de anos. A diferença entre a física proposta por Isaac Newton e a dos dias de hoje é enorme. Apesar do que os criacionistas gostam de afirmar, a ideia de Charles Darwin da evolução pela seleção natural passou por grandes mudanças com o advento da genética, biologia do desenvolvimento e centenas de outros novos campos.

Enquanto o progresso da ciência pode ser áspero, e cientistas podem se divergir, nada se pode comparar à hostilidade de um promotor da pseudociência, quando confrontado com ter suas ideias desenvolvidas ou alteradas. Quaisquer tentativas de refutá-lo irá normalmente lhe taxar como arrogante ou como um membro do senso comum, para minar a verdade mais uma vez.

"Evidências"

A evidência científica é valorizada quando é coletada de uma maneira rigorosa e é rejeitada quanto têm vieses de preconceitos pessoais. O exemplo clássico é o estudo controlado, o duplo-cego. Apesar da observação naturalística ser usada às vezes, não é prova de uma teoria. Além disso, quando é utilizada, uma quantidade substancial de dados está normalmente envolvido. O uso de estatísticas e uma ênfase na significância estatística e também é uma forte característica da ciência legítima.

Sem título-1464545712

Na pseudociência, a importância colocada sobre o valor da prova está quase invertida. Experimentos rigorosos e controlados, grandes conjuntos de dados e raciocínio estatístico são substituídos com ênfase na evidência pessoal, anedótica e depoimentos. Outra grande ênfase é a opinião de especialistas. Qualquer pessoa com títulos antes de seu nome que esteja disposta a dizer algo positivo sobre a ideia é usada para enfatizar que a evidência da ideia é válida. (Se tornando ainda mais explícito quando alguém insiste em enfatizar "Dr." ou "Ph.D." ao seu nome).

Um exemplo bem conhecido disso são as listas ridículas de cientistas que questionam a evolução darwiniana feitas pelos criacionistas. Isso é bem combatido com o Projeto Steve, que mostra a natureza ridícula desta técnica. Muitas vezes, o perito ou o cientista citado em apoio de uma ideia pseudocientífica nem realmente a apoia, e a citação é tirada do contexto. Isso é chamado de "mineração de citação" e é um grande indicador de pseudociência.

Um problema final é que os promotores da pseudociência estão interessados apenas nas provas que confirmem a ideia inicial. Esse viés de confirmação significa que qualquer evidência que possa contradizer a teoria é ignorada.

Falta de revisão por pares, e reivindicações de vastas conspirações de senso comum

Dollarnote siegel hq

O Illuminati está em todo lugar!

Um dos únicos aspectos mais importantes da verdadeira ciência é a replicação e a verificação, em especial proveniente de terceiros não envolvidos nos experimentos originais. Este é o coração da revisão por pares, onde novas ideias são colocadas para fora antes de colegas cientistas com todos os detalhes replicarem e estenderem a pesquisa. Enquanto a dinâmica social da revisão por pares não é infalível, e muitas questões interessantes possam surgir, ainda não há nada melhor maneira para o avanço do conhecimento humano. E, naturalmente, não é surpreendente que as pessoas que promovem a pseudociência querem evitar a revisão por pares, tendo-as como uma praga.

Dollarnote siegel hq-1

Uma revista revisada por pares

Se uma ideia não foi publicada em uma revista revisada por pares, é seguro dizer que ela provavelmente não iria passar no processo de revisão por pares, pelo menos não em seu estado atual. A maioria das pessoas, mesmo com o interesse menor na ciência, têm pelo menos um conhecimento raso sobre o sistema de revisão por pares, e assim os promotores de pseudociências muitas vezes têm de oferecer explicações mirabolantes para o porque suas ideias não têm sido publicadas em qualquer lugar. Na medicina alternativa, é comum culpar a Indústria Farmacêutica por querer esconder o fato de que alguns produtos naturais curam todas as doenças conhecidas, porque vai prejudicar seus lucros - apesar do fato de que tal coisa iria gerar mais lucro, e a Indústria Farmacêutica estaria morrendo sem tê-los em suas mãos para monopolizá-los! Em biologia, os criacionistas muitas vezes alegam que a evolução é apoiada por um vasto meio acadêmico ateu e materialista, como se cada estudante Ph.D. terminasse a sua vida com

Dollarnote siegel hq-2

uma revista "revisada por pares"

seu supervisor levando-os para um lado para "ter uma conversinha". Esta "grande conspiração" é talvez a tática mais comum, mas existem desculpas mais imaginativas, como Jason Lisle alega que sua teoria sobre a forma de resolver o problema da luz das estrelas não precisa passar pelo sistema de revisão por pares das principais revistas científicas porque você não esperaria papers evolucionistas que passassem por revistas criacionistas.

Quando os papers pseudocientíficos são publicados, são muitas vezes publicados em pseudo-revistas, que alegam usar a "revisão por pares", mas são menos rigorosos do que seria de esperar do mainstream científico. Promotores da pseudociência, por vezes, começam a criar seus próprios jornais que servem de "avaliação" apenas por companheiros promotores. Essas revistas são facilmente identificadas por seus baixos padrões de inclusão, ou sua falta de inclusão nos índices acadêmicos, como o ISI Web of Knowledge (ou até mesmo o Google Scholar). Uma das características mais evidentes da pseudo avaliação por pares é uma total falta de interesse em replicar ou verificar o "trabalho" de outros no campo. O que nos leva ao próximo ponto...

Uso de trabalhos acadêmicos desatualizados ou refutados

Às vezes, um promotor da pseudociência irá apresentar um artigo acadêmico de um trabalho na área relacionada como "prova" de que a alegação não é uma pseudocientífica, mas através de uma pesquisa mais adicional pode demonstrar que este único estudo foi uma falha ou mais tarde provada falsa.

Por exemplo, K. Linde, N. Clausius, G. Ramirez, et al, "Are the Clinical Effects of Homoeopathy Placebo Effects? A Meta-analysis of Placebo-Controlled Trials," Lancet, 20 de setembro de 1997, 350: 834-843, à primeira vista suporta a homeopatia, mas este trabalho foi refutado em "The end of homoeopathy", The Lancet, Vol. 366 No. 9487 p 690. A Vol. 366 No. 9503 (27 de dezembro de 2005), e 14 estudos de 2003 a 2007. [13]

Esta é, de longe, a forma mais perigosa de pseudociência, pois dá uma ar (geralmente falso) de legitimidade a uma reivindicação.

Falta de interesse na replicação ou verificação externa

Embora intimamente relacionado com a recusa de se submeter a revisão por pares, a total falta de interesse em qualquer forma de replicação ou verificação externa é uma questão importante por si só. Enquanto a ciência real é um trabalho em progresso permanente com muitas pessoas ao redor do mundo replicando experiências, intercâmbio de resultados, e trabalhando os detalhes decorrentes de outras hipóteses; a pseudociência é apresentada como um pacote completo, um negócio feito. ideias pseudocientíficas podem pretender oferecer uma física unificada, curar os doentes, reduzir toda a matemática para uma prova algébrica, e criar energia ilimitada. Eles afirmam que não há necessidade de ir mais longe, apenas abraçam a ideia e entram na utopia. Em contraste, verdadeiros cientistas adoram quando os outros pegam seu trabalho e usam-o como base para futuras pesquisas - se não houver falhas, o número de citações [de seu artigo] é alavancado positivamente.

Muitas vezes, o promotor da pseudociência vai usar as técnicas de linguagem vaga para dizer que a verificação é impossível, ou vai oferecer os segredos apenas para aquelas pessoas que forem julgadas dignas ou pagarem grandes somas de dinheiro. Se, por acaso, alguém tenta replicar ou confirmar a ideia e não vê tais resultados, é considerado pelo promotor como um estúpido ou um figurante pago para a conspiração do mal que visa esconder a verdade.

Este acolhimento da ideia de que o problema está resolvido e não precisa de verificação é também a fonte para a nossa próxima grande característica da pseudociência.

Mudanças frequentes na metodologia sem alterar as conclusões

Como uma alternativa a anterior, pseudocientistas podem ficar excessivamente ansiosos em atualizar suas reivindicações e ideias. Enquanto a ciência é sempre um "trabalho em progresso" em alguma extensão, e passa por mudanças rápidas, novas hipóteses e teorias são ambas formadas em cima das já existentes e, ainda mais importante, gera novas reivindicações ou caminhos para exploração. A relatividade, inovadora como era, não descartou completamente a física newtoniana; na verdade, Einstein era capaz de formular sua teoria através das clássicas equações de Maxwell. No entanto, neste marco da pseudociência, hipóteses e mecanismos anteriores são descartados assim que algo um pouco mais promissor ataca tal ideia - enquanto ainda mantém a mesma conclusão básica. O Transhumanismo como um movimento na década de 1960 não tem quase nenhuma semelhança com o transhumanismo no século 21, mas as pessoas ainda estão de alguma forma prometendo um futuro de super-humanos imortais através do poder da ciência. Dietas da moda, em particular, são propensas a isso, expelindo baboseiras sem sentido com aparência de linguagem técnica sobre como este truque recém-descoberto vai acabar rapidamente com a gordura de sua cintura, embora não explique por que todas as dezenas de falsas alegações anteriores foram baseadas com pouca ciência real.

Recusa de usar o método científico ou a alegação que não pode ser usado

Promotores da pseudociência raramente discutem evidências experimentais ao promover suas falsidades. Mas, em debates que inevitavelmente surgem, por vezes, tem de enfrentar a questão de por que eles não apresentarem as suas ideias para a prática básica da ciência. Isto é comumente visto na medicina alternativa, onde o padrão do estudo duplo cego iria demonstrar claramente suas ideias falsas. A maioria dos promotores se recusam a fazer os estudos, e muitas vezes alegam que as suas ideias são, de alguma forma, impossíveis de testar através de meios convencionais.

Em especial nos ensaios médicos, é importante saber que qualquer observação é atribuível apenas ao mecanismo hipotético, como um novo medicamento ou cirurgia, e não a uma variável confusa. O método pseudocientífico ignora ativamente isto, ou tenta reivindicar alguma isenção a partir dele. Mesmo quando se trata de apologistas falando sobre oração, se alguém diz que algo "funciona", então eles devem ter um critério pelo qual eles possam apoiar essa afirmação. Não há nenhuma diferença entre algo que as pessoas dizem que não pode ser testado e algo que simplesmente não funciona. Uma grande parte do método pseudocientífico é dedicado a convencer as pessoas de que isso não é verdade.

Esta defesa especial está muitas vezes escondida sob uma luz positiva. Por exemplo, os promotores da "medicina alternativa" afirmam que a abordagem da cura do "corpo inteiro" exige a divulgação integral entre o médico e o paciente. Homeopatas afirmam que os verdadeiros remédios devem ser feitos sob medida e, portanto, não podem ser testados contra qualquer tipo de padrão.

Outra técnica é alegar que as tentativas de aplicar o ceticismo ou teste à ideia a destrói. Essa objeção é comum em várias formas do esoterismo psíquico, onde os céticos são acusados ​​de perturbar as delicadas "ondas telepáticas". Muitos conceitos de pseudociência baseados em torno de causas sobrenaturais vão alegar que suas curas particulares são realizadas pela agência de algum tipo de ser que não está disposto a ser testado de tal maneira.

Dependência de provas negativas

Na ciência, nenhuma ideia científica é realmente provada, o que é demonstrado no velho ditado de que "prova é para a matemática e o álcool". Promotores da pseudociência, porém, são grandes fãs da prova negativa. Eles empurram a ideia de que, de alguma forma, o "valor de verdade" de uma ideia é uma reivindicação binária, que, se uma ideia não é provada falsa, deve ser verdade. No entanto, a maioria de suas reivindicações são reivindicações positivas - e, como tal, exigiriam evidências para apoiá-las. O ônus da prova recai sobre o promotor, e afirmações extraordinárias exigem provas extraordinárias.

Dependência de campos fora ou independentes dos resultados

Especialmente aplicável a "quase ciência" são ideias que colocam um fardo excessivo nos campos da ciência ou engenharia não diretamente abrangidos pelo tema para fazer o trabalho. Enquanto a ciência moderna é notável pela exploração, a conciliação entre disciplinas e projetos científicos reais são, às vezes, incapazes de ser implementados imediatamente, e devido às limitações do mundo real, a pseudociência sempre acaba passando a bola para uma disciplina mais confiável. Por exemplo, defensores da criogenia muitas vezes alegam que o seu método bizarro de revivificação será completamente validado e viável, uma vez que a nanotecnologia avança. Ou que a fusão a frio está perto de ser uma realidade, uma vez que os engenheiros já projetaram um reator de contenção viável.

Apresentação

Distorção dos termos científicos

Uma das maneiras mais fáceis de ganhar das armadilhas da ciência é descrever uma pseudociência usando palavras da ciência, ou termos que soam científicos (muitas vezes adequadamente descritos como "Baboseira técnica" ou equívocos). Isto é mais fácil de fazer com os conceitos científicos que são mal compreendidos pelo público em geral (que, na verdade, inclui a grande maioria dos conceitos científicos). Adeptos do New Age particularmente gostam de usar "energia" como um termo genérico. Outro alvo favorito dos promotores da pseudociência é o uso do esoterismo quântico, onde ondas, partículas, cordas e linhas de força magicamente se unem para produzir consequências surpreendentes. Os proponentes da lei da atração, por exemplo, afirmam que você pode manifestar o que quiser na realidade (dinheiro, fama, sexo, uma melhor penteado), concentrando-se sobre ele e "colapsando funções de onda" na realidade.

Outras técnicas muitas vezes não envolvem abusar dos termos existentes, mas sim criar novos termos inteiros em um estilo que pareça científico. Um excelente exemplo disso é a baraminologia criacionista e os baramins, que é a substituição extravagante para a antiga ideia (refutada milhares de vezes) que os animais evoluem apenas dentro de "tipos".

Falsa identificação de termos

Outra faceta da pseudociência que ocorre na cultura popular é a deturpação de um termo.

O exemplo mais óbvio disso é a "esperança de vida", como visto no episódio In Search of ... do "The Man Who Would Not Die" (Sobre o conde de São Germano), onde se afirma que "A evidência recém-descoberta no Museu Britânico indica que São Germano pode ter também sido o terceiro filho perdido há muito tempo de Rákóczi, nascido na Transilvânia em 1694. Se ele morreu na Alemanha em 1784, ele viveu 90 anos. a esperança média de vida no século 18 era de 35 anos. Cinquenta anos era uma velha idade. Noventa... era para sempre".

Mesmo que ele fale sobre a expectativa de vida como sendo uma média, a declaração ainda apresenta eras passadas e essa média como sendo muito rara, o que não é exatamente verdade. A expectativa de vida geralmente citada é o pelo número de nascimento, que é uma média que inclui todos os bebês que morrem antes do seu primeiro ano de vida, assim como pessoas que morrem de doenças e guerra. Vamos dizer que você tem duas pessoas nascidas no mesmo dia: uma morre na idade de 2 anos, mas as outras morrem com a idade de 80. A idade média dessas duas pessoas é 41 ((80+2)/2), e se a média de três pessoas for de 2, 3, e 80 anos, se obtém uma média de idade de apenas 29! Não é preciso dizer que muitas mortes de crianças colocam a média para baixo. Viver apenas a 5 anos de idade quase dobrou sua expectativa de vida de 25 para 48. A maioria dos avanços globais na expectativa de vida, na verdade, vêm reduzindo a mortalidade infantil e na infância; a esperança média de vida para as pessoas que atingem a idade adulta tem, salvo depressões causadas por guerras e pandemias, mudado somente por alguns anos. [14]

Mesmo com estas médias, você ainda tinha pessoas que viveram muito tempo. Por exemplo, Benjamin Franklin morreu em 1790 na idade de 84, e Ramsés II é pensado por ter vivido 90 anos.

Motivação Externa

Para entender mais das grandes semelhanças das pseudociências políticas, religiosas e comerciais, veja algumas descrições aqui.

Uma enorme bandeira vermelha deve subir quando uma ideia é empurrada contra o pano de fundo de uma agenda forte que, na superfície, não deve ter nada a ver com a ideia de ser proposta a todos. Isso muitas vezes pode ser visto quando um indivíduo de repente começa a promover uma ideia pseudocientífica, logo após uma conversão importante à uma agenda política ou religiosa, ou a uma lista de "apoiantes" de uma ideia onde estão todos unidos em algum tipo de filosofia ou religião.

Religiosa

O exemplo mais exposto disto pode ser encontrado com o criacionismo e o design inteligente, onde o objetivo de desacreditar a evolução é apenas um meio para o fim de desacreditar o secularismo e promover o cristianismo fundamentalista em seu lugar.

Política

A pseudociência também pode prosperar como o pano de fundo de uma ideologia política.

o Lysenkoismo prosperou na União Soviética de Josef Stalin como uma "alternativa" para a evolução por seleção natural, porque ela foi apresentada como parte da ideologia comunista. A evolução e genética mendeliana, entretanto, foram declaradas como "pseudociências burguesas", e os seus apoiantes foram enviados aos gulags, que é exatamente o processo de revisão pelos pares, a forma da ciência funcionar. [15]

Hitwin

Isto prova tudo, não prova?

Da mesma forma, a Alemanha nazista promoveu a Deutsche Physik porque ideólogos nazistas sentiram que a relatividade era muito ligada a judeus, como Albert Einstein.

A pseudociência é também frequentemente usada para reprimir minorias ou "indesejáveis", como o "racismo científico" que foi usado para apoiar programas de eugenia.

Na política moderna, a influência da direita religiosa levou a uma politização da ciência que faz a motivação religiosa e política empurrar várias formas de pseudociência, do criacionismo ao negacionismo do aquecimento global, enquanto em um exemplo mais bipartidário de desonestidade, a oposição aos OGMs e as vacinas é, muitas vezes, derivada menos da ciência e mais de uma estirpe particularmente paranóica da defesa pública de saúde/consumidor (com exemplos da esquerda, muitas vezes acrescentando o ambientalismo à mistura, e os exemplos de direita acrescentando a desconfiança nas agências reguladoras do governo).

Comercial

Veja o artigo principal sobre o tema: Pseudociência na publicidade

469px-Science discovered it - you can prove it!

"Obrigado, ciência!"

Muitas vezes, os interesses comerciais vão procurar maneiras de dobrar a "ciência" para permitir uma venda mais fácil. Um exemplo claro disso é a indústria do tabaco, que durante décadas negou qualquer ligação entre o tabagismo e o câncer de pulmão, e os testes concebidos para "provar" exatamente isso. Por quê? Porque se fumar não é ruim para você, então é mais difícil regular o tabaco e é mais fácil convencer os clientes a comprarem o seu produto.

Campos comumente atormentados pela pseudociência

Medicina

Provavelmente, a forma mais destrutivamente única da pseudociência é a pseudomedicina. Seu prejuízo financeiramente e em termos de saúde humana e da vida é imensa. Por valor de face, remédios não-confiáveis para dores de cabeça leve ou "sintomas de tristeza" pode parecer inofensivo; o efeito placebo, assim como outros fatores, podem levar as pessoas a acreditar que isto realmente funciona. Medicinas alternativas estão presas em uma minoria de más experiências, assim com a medicina convencional, para atrair as pessoas para a sua utilização, em primeiro lugar por causa das condições suaves e aqueles, em seguida, graves. Isto leva pacientes a renunciarem a medicina convencional (isto é, a medicina comprovada) para uma série de doenças que são muito mais graves, de câncer a AIDS.

Existem duas grandes categorias de pseudociência na medicina.

Sobrenatural

O primeiro é o sobrenatural, o psíquico, e a cura paranormal. Esta cura pela fé é popular entre os tele-evangelistas como Benny Hinn. Algumas seitas religiosas, como a Ciência Cristã, baseiam-se exclusivamente em torno da pseudociência que cada doença grave pode ser curada através de meios sobrenaturais e isso muitas vezes resulta em morte por doenças facilmente evitáveis ​​ou curáveis. Esta forma de cura não precisa ser abertamente religiosa; o esoterismo quântico, a Lei da Atração, ou técnicas como a cirurgia psíquica e Reiki são frequentemente não-teístas, mas ainda de origem "sobrenatural". Alguns "tradições antigas", como a acupuntura e os chakras, em geral, também se enquadram nesta categoria.

Super-natural!™

A segunda categoria evita alegações sobrenaturais, mas conta com uma "ciência" mal suportada ou desacreditada, muitas vezes apelando para as suas qualidades "naturais". Muitas vezes, este tipo de pseudociência toma a forma de empurrar várias vitaminas ou suplementos de ervas como curas mágicas para doenças. Outras formas incluem a tomada de conceitos ultrapassados ​​de doenças e curas, alegando que elas são tão precisas ou mais precisas do que a medicina moderna. A homeopatia é um grande exemplo disso, com base em uma velha teoria de 200 anos de doenças que nem sequer era amplamente aceita quando foi proposta e em primeiro lugar, talvez mais importante, foi compilada antes da teoria dos germes que nunca foi estabelecida. Finalmente, quando coisas terríveis acontecem, o desejo de "culpa" é dado a falsos bodes expiatórios. Isto é mais claramente visto no movimento anti-vacinação, particularmente sobre o papel do timerosal no autismo. Alguns dos argumentos usados ​​pelo movimento anti-nuclear também se enquadram nesta categoria.

Biologia

Behe

O promotor do Design Inteligente Michael Behe, inventor da complexidade irredutível - uma ideia supostamente científica que tem desafiado a definição precisa e têm sido consistentemente refutada por 20 anos.

A biologia é submetida a provavelmente mais conhecida e difundida pseudociência de todas - o Criacionismo. Seja qual for a manifestação, seja da Terra Velha, Terra jovem, ou o Design Inteligente, o criacionismo tem sido uma pseudociência prolífica e duradoura. Tudo decorre da ameaça percebida da evolução sobre a religião.

Enquanto o Criacionismo tem certamente dominado como pseudociência principal na biologia, ela não é a única. Historicamente, o Lysenkoismo e a eugenia foram ambos extremamente mortais. Diferenças invocadas entre as capacidades inatas de diferentes raças, como em The Bell Curve, compartilham muitas características com a pseudociência. Muitas das pseudociências na medicina se sobrepõem com a biologia, com o negacionismo da AIDS ou mesmo a teoria do germe da doença, que visa substituí-lo com os conceitos ridículos como os da homotoxicologia.

Física

A física tem sido o lar de algumas das formas mais estranhas de pseudociência. Porque seus conceitos são particularmente arcanos para mais leigos que, por vezes, parece ser possível passar praticamente qualquer asneira incoerente como "ciência". Ao invocar a palavra mágica "quântica", de repente, as afirmações mais ridículas absolutamente impossíveis tornam-se facilmente aceitas como verdadeiras. Isto aparece em todo o lugar como as desonestidades de Deepak Chopra e sua cura quântica, ou Esther Hicks e sua Lei da

Deepak Chopra

Deepak Chopra

Atração.

Enquanto as grandes teorias do campo unificado e as teorias de tudo são conceitos legítimos na física teórica (que são investigados, basicamente, porque o LHC foi construído), promotores do esoterismo muitas vezes abusam de tais conceitos esotéricos quando vendem seus produtos para um público em geral. Não contendo respostas para grandes teorias para apenas unir o eletromagnetismo, a força nuclear forte e a força nuclear fraca, mas também a mente, corpo e a alma. Charlatãos sem formação em física ou matemática frequentemente apresentam as suas próprias teorias de tudo, que são motivos de piadas fora da sala por especialistas reais, se reconhecem isto em tudo.

Outro assunto muito popular da pseudociência com base na física é a energia livre. Seja através de magnetismo, orgônio ou qualquer outra substância, as pessoas têm reclamado que as gerações têm a solução para as necessidades da energia do nosso mundo em suas próprias garagens. A fusão a frio, similar à energia livre, teve seu auge na mídia antes de seus autores originais serem expostos como fraudes. No entanto, charlatãos regularmente discursam em fóruns de internet que eles podem fazer a fusão a frio alimentar seus freezers agora. Estas ideias se fundem com a engenharia em reivindicações de máquinas de motor perpétuo ou dispositivos que podem gerar mais energia do que consomem.

E, finalmente, temos o negacionismo revestido de linguagem "científica" com coisas como a "farsa" do pouso na lua ou as ideias anti-relatividade.

Matemática

A pseudomatemática é provavelmente um dos campos mais subestimados da pseudociência, o que é muito ruim, já que há uma riqueza de grande material. Uma das maiores áreas de exploração é na área de "provas" e "teoremas". Charlatãos gostam de "provar" teoremas que ainda não foram comprovadas por matemáticos reais, ou "refutar" teoremas que foram provados e, ainda melhor, "provar" teoremas já comprovados pela álgebra do ensino médio. Andrew Wiles e sua prova do último teorema de Fermat tem sido um grande pára-raios de charlatãos. Outro ramo favorito é a quadratura do círculo.

Além de provas, há uma série de defensores da pseudociência que gostam de tentar destruir conceitos fundamentais em matemática. O número imaginário é um alvo comum, bem como os números irracionais. Encontrar uma solução exata para Pi continua a ser a aplicação mais popular da pseudociência nesta categoria.

Ciências Sociais e Humanidades

As várias ciências sociais são absolutamente repletas de pseudociência. O campo é particularmente perigoso porque muitas das ideias são realmente "aceitas" por alguns "especialistas" no campo. A psicanálise é um clássico da psicologia; foi a pseudociência que Popper escolheu para comparar com a

Rorschach1

Teste de Rorschach

teoria da relatividade. Muitas das metodologias de diagnóstico e teste em psicologia, coisas como lembranças reprimidas, distúrbio de personalidade múltipla e o Teste de Rorschach, são baseadas em nada mais do que pseudociência. [16] [17] [18]

História

Como a análise da história é geralmente não experimental, a disciplina não é "científica" no entendimento popular do termo. Exceto nos casos em que as proposições podem ser definitivamente demonstradas ou com desconto pelo meio, por exemplo, a análise de evidências arqueológicas, faz pouco sentido falar de história como uma pseudociência.

Dito isto, a história também pode ser praticada de uma forma intelectualmente desonesta, dando-nos a pseudohistória. A pseudohistória é a serva das teorias da conspiração, aproveitada para problemas de linhas de tempo convencionais ou para provar a existência de ideias nefastas, como a teoria conspiracionista sobre o assassinato de John F. Kennedy ou o movimento do 11/9.

O que distingue a história da pseudohistória é a aplicação rigorosa do método histórico [wp], abstendo-se de recorrer à explicações ad hoc (por exemplo, alegações de aliens ou divinas), e a capacidade de formular hipóteses que se encaixam com os resultados existentes de pesquisa histórica (contrastando o último com os expoentes das cronologias históricas alternativas).

Linguística

As formas mais comuns de pseudolinguísticas são afirmações espúrias de relações entre famílias de línguas, de grande antiguidade ou primazia histórica, muitas vezes por razões nacionalistas. Ela também, às vezes, toma a forma de teorias não-científicas sobre como a linguagem influencia o nosso pensamento. Escritas não decifradas, antigas e modernas, muitas vezes atraem teorias altamente especulativas e reivindicações de tradução.

"Ciência sólida"

Veja o artigo principal sobre este tema: Ciência sólida

A pseudociência é por vezes referida como "ciência-lixo". No entanto, o termo "ciência-lixo" tornou-se associado a tretas anti-ambientalistas devido ao uso do termo do boçal corporativo Steve Milloy. Milloy possui um blog chamado "Junk Science" [ciência-lixo], onde ele ofusca e nega o aquecimento global, os riscos associados com o uso de DDT e outros problemas ambientais. Michael Fumento, outro figurante, tem promovido o uso dessa frase. Em geral, quando um perito está sendo entrevistado ou a escreve uma coluna sobre as questões ambientais e de saúde, o termo "ciência-lixo", geralmente traduzido por "ciência que vai ser muito inconveniente para os meus patrocinadores" e "boa ciência" se traduz em "alguma besteira que eu fiz apenas para negar o problema".

Referências

  1. Dawkins, C. Richard (1998). Unweaving the Rainbow: Science, Delusion and the Appetite for Wonder. London: Allen Lane. p. 128.
  2. https://www.youtube.com/watch?v=oVnuFY20st0
  3. Barry Singer and Victor A. Benassi. "Occult Beliefs: Media Distortions, Social Uncertainty, and Deficiencies of Human Reasoning Seem to be at the Basis of Occult Beliefs." American Scientist , Vol. 69, No. 1 (January–February 1981), pp. 49–55.
  4. Raymond A. Eve and Dana Dunn. "Psychic Powers, Astrology & Creationism in the Classroom? Evidence of Pseudoscientific Beliefs among High School Biology & Life Science Teachers". The American Biology Teacher , Vol. 52, No. 1 (Jan., 1990), pp. 10–21.
  5. "What does Scientific Literacy look like in the 21st Century?". 10 October 2013. http://www.skepticink.com/gps/2013/10/10/what-does-scientific-literacy-look-like-in-the-21st-century/. Retrieved 9 April 2014.
  6. Devilly, GJ (2005). "Power therapies and possible threats to the science of psychology and psychiatry". Australia and New Zealand Journal of Psychiatry 39 (6): 439.
  7. Lindeman M (December 1998). "Motivation, Cognition and Pseudoscience". Scandinavian Journal of Psychology 39 (4): 257–65. PMID 9883101.
  8. Shermer, Michael; Gould, Steven J. (2002). Why People Believe Weird Things: Pseudoscience, Superstition, and Other Confusions of Our Time. New York: Holt Paperbacks. ISBN 0-8050-7089-3.
  9. Shermer, Michael (July 2011). "Understanding The Believing Brain: Why Science Is the Only Way Out of Belief-Dependent Realism". Scientific American. Retrieved April 2014.
  10. http://www.goodreads.com/quotes/898351-if-someone-were-to-propose-that-the-planets-go-around
  11. Este é um horóscopo genuino, publicado na Khaleej Times.
  12. http://www.srmhp.org/archives/quotes-pseudoscience.html
  13. Clinical Trials (2003-2007)
  14. Kanazawa, Satoshi. "Common misconceptions about science II: Life expectancy." Psychology Today, 20 November 2008 (recovered 4 March 2015).
  15. Imre Lakatos, Science and Pseudoscience, Science and Pseudoscience (transcrito), Dept of Philosophy, Logic and Scientific Method, 1973.
  16. Jones v Apfel (1997) afirmou (citando o manual da Procuradoria de Medicina), que "os resultados do teste de Rorschach não cumpriam os requisitos da padronização, confiabilidade ou validade dos testes de diagnóstico clínico, e a interpretação, portanto, é muitas vezes controversa"
  17. No State ex rel H.H. (1999) sob interrogatório do Dr. Bogacki, foi declarado sob juramento que "muitos psicólogos não acreditam muito na validade ou na eficácia do teste de Rorschach"
  18. US v Battle (2001) decidiu que o [teste de] Rorschach "não tem um sistema de pontuação objetivo".